Espanha pede desculpas por resolução contra ETA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de março de 2004 as 23:11, por: cdb

O embaixador espanhol nas Nações Unidas, Inocencio Arias, pediu desculpas publicamente pela resolução de condenação impulsionada pela Espanha no Conselho de Segurança imediatamente após os atentados de 11 de março, cuja autoria foi erroneamente atribuída ao ETA. Depois, os ataques foram reivindicados por uma facção da Al-Qaeda.

“Atuamos de boa fé, mas às pressas. A próxima vez, a menos que estejamos 100% seguros, não devemos nos precipitar. Devemos nos desculpar por isto”, disse Arias à imprensa.

Em 11 de março, horas depois do brutal atentado que causou a morte de 190 pessoas em Madri, o Conselho de Segurança adotou por unanimidade uma resolução de condenação em que mencionava o grupo terrorista ETA. No entanto, à medida que passaram as horas, os indícios apontaram cada vez mais para a organização terrorista Al-Qaeda como responsável pelo ataque.

“A lição que devemos aprender para a próxima vez é que, a menos que estejamos muito seguros, não é preciso pressionar”, declarou o embaixador.

Em entrevista coletiva sobre o Comitê contra o Terrorismo da ONU, Arias foi perguntado pelo apoio anunciado pela Espanha ontem à resolução de condenação de Israel pelo assassinato do líder espiritual do Hamas, Ahmed Yassin. Esta postura foi criticada no Conselho de Segurança pelo embaixador de Israel, Dan Guillerman, que perguntou publicamente se a Espanha não teria feito o mesmo se soubesse quem estava por trás dos ataques de 11 de março.

Em resposta, Arias disse que a Espanha sempre manteve sua oposição aos atos violentos contra inocentes, tratando-se de “uma bomba colocada em um ônibus de Tel Aviv, ou de um assassinato extrajudiciário por parte de Israel”. Além disso, explicou que antes de assumir esta posição, a Espanha consultou os líderes do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), que venceu as últimas eleições, embora tenha assinalado que se o Partido Popular tivesse vencido, a postura seria a mesma.