Espaço de Informação dos BRICS cria mídia mais democrática e social

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de outubro de 2015 as 11:15, por: cdb

Por Redação, com Sputnik Brasil – de Moscou:

A agência de notícias Rossiya Segodnya (Rússia Hoje) realizará em Moscou nesta quinta-feira o encontro “Para a Criação de um Espaço de Informação Comum aos Países BRICS”. Um dos participantes brasileiros, o jornalista Gilberto de Souza, fala à agência russa de notícias Sputnik sobre o fórum.

Gilberto Souza, diretor e editor-chefe do jornal Correio do Brasil, estará presente ao evento como convidado. Ele considera a iniciativa como da maior importância para ampliar o conhecimento mútuo entre os jornalistas, os grupos de mídia e as populações dos cinco BRICS: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

O Correio do Brasil, fundado em 2000, é publicado em edições digital e impressa. A versão em papel tem tiragem de 40 mil exemplares e é distribuída, no horário vespertino, somente para assinantes.

“Para a Criação de um Espaço de Informação Comum aos Países BRICS”
“Para a Criação de um Espaço de Informação Comum aos Países BRICS”

A seguir, a entrevista de Gilberto de Souza sobre o evento “Para a Criação de um Espaço de Informação Comum aos Países BRICS”.

– Como será a sua participação no encontro?

– Participo como convidado e vou fazer um pronunciamento, na quinta-feira, sobre a democratização da mídia, a necessidade da existência de uma mídia democrática. Este é o ponto que vamos defender junto aos participantes dos outros países BRICS.

Qual será o conteúdo do seu pronunciamento?

– É uma visão sobre a mídia brasileira e latino-americana e a situação em que se encontra hoje a dominação deste espaço democrático por uma tendência mais voltada ao mercado, mais voltada aos interesses corporativos, quando na verdade o jornalismo precisa ser uma atividade mais social. Este é um dos objetivos da nossa presença para que seja resgatada esta forma de se fazer jornalismo que é a marca do “Correio do Brasil”. É um jornalismo que visa à área social independentemente dos interesses majoritários da sociedade financeira. Este é mais ou menos o norte do que iremos levar.

– Como você vê a iniciativa da agência Rossiya Segodnya (Rússia Hoje) de criar este espaço comum de informação para o jornalismo dos países BRICS?

– É uma iniciativa digna de aplauso porque é inédita. Em nível mundial, inclusive. Ela merece todos os elogios que se possa fazer porque inaugura um novo diálogo, mostra que o mundo está mudando no sentido de se ter uma mídia mais ampla, mais democrática e mais social. Atualmente o grupo BRICS é decisivo na geopolítica mundial. Vemos o mundo, hoje, com os Estados Unidos de um lado e com uma política muito perigosa, muito complicada, e do outro lado países como Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul buscando uma nova realidade, buscando resgatar os valores de que o mundo não pode prescindir, como a solidariedade, a integração dos povos, coisas que na política norte-americana ficam muito a desejar.