Equipe de jiu-Jitsu formada por atletas de comunidades pacificadas estreia no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de março de 2012 as 08:09, por: cdb
Equipe UPP Rio estreia na 3ª Copa Grande Mestre João Alberto Barreto. Prof. CB PM Texeira da UPP Providencia com os atletas, Adriel Shallon e Rai de Araújo (esq-dir)

A equipe UPP Rio de jiu-jitsu estreou, neste fim de semana, na 3ª Copa Grande Mestre João Alberto Barreto realizada no Rio. A equipe é formada por 195 atletas de comunidades pacificadas que participaram da competição em todas as categorias: mirim, juvenil, adulto, master e sênior. Entre os atletas, estão moradores das comunidades e policiais militares das UPPs. Os lutadores concorreram com atletas de vários municípios do estado do Rio e até de outros estados, como São Paulo e Minas Gerais.

A primeira equipe formada por atletas de uma comunidade pacificada a se filiar à Federação de Jiu-Jítsu Desportivo do Rio foi a do Morro da Providência no início de 2011. Ao longo do ano passado, outras comunidades formaram equipes também e, a partir daí, surgiu a ideia de criar uma equipe única.

Ao sair do tatame, o pequeno lutador Rai de Araújo, de 9 anos, morador da Providência, corre para mostrar ao professor sua medalha de ouro. “Foi muito difícil, mas eu venci”, diz o menino, com sorriso no rosto, ao abraçar seu mestre: o cabo da Polícia Militar Flávio Teixeira.

E o professor de jiu-jítsu da UPP da Providência não esconde o orgulho de ver seus alunos competindo e se emociona ao falar do trabalho desenvolvido na comunidade. “A proposta é unir as comunidades. Algumas, no passado, eram até rivais. Mas isso mudou com a pacificação e o esporte promove essa integração”, afirmou o presidente da Federação de Jiu-Jítsu, Rogério Gavazza.

– Eu fico muito feliz ao ver que há resultados, como ser humano e como policial. Tenho um aluno, por exemplo, que chegou a fazer parte do tráfico drogas, antes da pacificação. Hoje, está lutando. O esporte dá disciplina e eles aprendem a se relacionarem uns com os outros, a se respeitarem, a viver em sociedade – disse o cabo Flávio Teixeira.

Principal incentivador da equipe da Providência, o comandante da UPP, capitão Glauco Schorcht, comemora o sucesso da iniciativa. “A maior vitória não é a medalha, mas a mudança de comportamento”, ressalta o comandante.

Talentos descobertos
O lutador Jackson Sousa, de 22 anos, é um dos talentos que surgiram de comunidades. Nascido e criado no Cantagalo, ele treina há 12 anos e passou a integrar a equipe UPP Rio. Com muita dedicação, Jackson pretende alçar voos maiores no esporte. “O mais importante para vencer é a perseverança no treinamento diário. E não é só uma questão de técnica, mas também de educação. Graças a Deus, a UPP entrou na comunidade e mudou a vida dessas crianças, que não têm mais o traficante como exemplo”, destacou Jackson.

Atualmente, a inspiração das crianças vem do esporte: o professor de jiu-jítsu do Cantagalo, Ricardo Vieira, nove vezes campeão mundial.

Na infância, Ricardo morava nas proximidades do morro e passou a conviver com os moradores. Desde 1998, dá aulas de jiu-jítsu na comunidade e, atualmente, conta com a parceria e o apoio da Unidade de Polícia Pacificadora.

Convidado para ser o treinador da equipe UPP Rio, Ricardo reúne, uma vez por mês, os atletas de todas as comunidades participantes para treinamento em conjunto. “O objetivo é nivelar o treinamento técnico para que todos tenham condições de competir bem. Estamos nos organizando para tornar a UPP Rio uma das melhores equipes do estado e, talvez, do país. Para mim, é uma satisfação muito grande ser treinador deles”, disse o campeão de jiu-jitsu.