Entidades trabalhistas criticam decisão do Copom

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de outubro de 2006 as 21:46, por: cdb

A decisão do Copom de reduzir para para 13,75% ao ano a taxa de juros básica da economia brasileira não agradou às entidades trabalhistas. Em notas enviadas à imprensa após o anúncio do corte, a Força Sindical, a CGT e a CUT criticam a condução da política econômica brasileira.

Para a Força Sindical, há espaço para um corte mais significativo na taxa Selic do que o 0,5 ponto decidido nesta quarta-feira pelo Banco Central.

– É preciso dar um basta na política conservadora adotada pelo governo de redução lenta e gradual na taxa Selic que só favorece os especuladores-, defende o presidente da entidade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho.

Para a Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT), o BC manteve o conservadorismo na política econômica.

– Se reeleito, o presidente Lula vai ter que mudar este quadro para demonstrar que tem capacidade suficiente para fazer o País crescer, gerando renda e empregos -, afirma o presidente da CGT, Salim Reis.

Em linha com as demais entidades, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Artur Henrique, enfatiza a importância da democratização do Conselho Monetário Nacional (CMN), ”com a participação de trabalhadores e empresários do setor produtivo em suas decisões”.