Encontro de Folia de Reis anima tarde de São Sebastião em Piabetá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 25 de janeiro de 2012 as 12:06, por: cdb

Na última sexta-feira, 20 de janeiro, aconteceu no centro de Piabetá o Encontro de Folias de Reis do 6° Distrito realizada pela Prefeitura de Magé, através da Fundação Cultural de Magé, em homenagem ao dia de São Sebastião. O evento contou com a presença do Prefeito Nestor Vidal, de secretários municipais, e de muitas pessoas que foram ao local assistir aos quatro grupos de Folia.

A Folia dos Marinheiros do Mestre Juscelino composta por 60 participantes foi a primeira a a se apresentar, a segunda foi  a Folia Estrela do Oriente do Mestre Sebastião que possui 25 participantes, em seguida a Folia Nova Aurora do Oriente da Mestre Maria Aparecida com 16 participantes e por último a Folia Flor Mirim do Oriente da Mestre Nicinha que tem 35.

O prefeito Nestor Vidal falou da importância no resgate da cultura mageense: “Estamos com um trabalho árduo para resgatar a cultura de Magé, aqui temos uma manifestação cultural que o povo deseja, Magé tem que começar a resgatar a recuperar a cultura do município. Às vezes as pessoas pensam que alguns eventos não devem ser apoiados por que elas não participam, nós entendemos que qualquer movimento pela cultura, que fazem parte da história deve ser apoiado”.

A presidente da Fundação Cultura, Alcília Brandão, agradeceu o apoio de todas as secretarias que participaram da realização do evento e falou sobre a aprovação do público: “A população veio assistir e está gostando, temos que trabalhar para resgatar a cultura do município”

Conheça um pouco mais das Folias de Reis, explicada pela Fundação de Cultura:

Em Magé, a tradição de Folia de Reis tem relevante presença no 6°Distrito onde se destacam os grupos Folia dos Marinheiros do Mestre Gessi, Folia de Fragoso da Mestra Aparecida, Folia da Aldeia da Mestra Nicinha e Folia de Raiz da Serra do Mestre Sebastião. Aproximadamente 200 integrantes participam destas folias no 6º distrito. Durante o final do mês de Dezembro até o dia de Reis (6 de Janeiro) grupos organizados compostos por músicos e cantores fantasiados, além de dançarinos e palhaços, cumprem o ritual religioso de devoção à bandeira, ao menino Jesus e aos reis magos. Eles caminham de casa em casa cantando. As folias levam preces às casas dos foliões e solicitam doações para a festa de 6 de janeiro, ou dia de Santo Reis.

O Natal já passou, Mas no estado do Rio de Janeiro, os integrantes das folias de Reis são devotos do São Sebastião, santo padroeiro do estado, e como o dia do santo é no dia 20 de Janeiro, as jornadas se estendem até este dia. Nesse período os foliões percorrem bairros do município para visitar a casa de devotos.

Além dos músicos instrumentistas e cantores, os grupos se compõem também de dançarinos, palhaços e outras figuras folclóricas devidamente caracterizadas segundo as lendas e tradições locais. Todos se organizam sob a liderança do Mestre da Folia e seguem com reverência os passos da bandeira, cumprindo rituais tradicionais de inquestionável beleza e riqueza cultural.

Uma curiosidade sobre o palhaço é que ele, apesar do que comumente se diz, não representa o demônio. A figura caricata do palhaço representa os soldados de Herodes, que, disfarçados em farrapos e máscaras, perseguiam os Reis Magos, a fim de informar o Rei Herodes onde estava o menino Jesus. Mas, ao encontrarem o menino, eles se arrependeram e se ajoelharam em adoração a Jesus.

Os palhaços sempre acompanham a Folia de longe, indo atrás, meio que na penumbra para não serem notados e só depois se revelam e, nesse momento, cantam versos. No Encontro de Folias, os palhaços costumam se apresentar e, inclusive, duelar entre si, por meio de suas trovas.