Empréstimo a trabalhadores se torna fonte de arrecadação dos sindicatos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 8 de outubro de 2003 as 04:50, por: cdb

Os empréstimos em consignação em folha de pagamento podem se tornar uma fonte de arrecadação e financiamento dos sindicatos.
 
A Força Sindical, que acaba de fechar um acordo desse tipo com o Banco Santander Banespa, estima receber, juntamente com os sindicatos filiados que aderirem à proposta, até R$ 7,75 milhões, já no primeiro ano de vigência, a título de ‘comissão’, caso consigam concretizar cerca de 500 mil contratos.

O contrato com o Santander Banespa prevê o repasse pelo banco aos cofres da central e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, o primeiro a participar do acordo, de 0,50% sobre o montante emprestado para cada metalúrgico, a chamada ‘comissão flat’.

Os sindicatos receberão também 0,5% do valor de cada parcela, a ‘comissão PMT’ (sigla do inglês payment, pagamento em português).

O presidente da Força, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, justifica a cobrança afirmando ser uma medida viável como alternativa para o financiamento dos sindicatos, a partir da provável extinção da contribuição sindical compulsória, um dos pontos em análise na reforma trabalhista.
 
– Essa é uma alternativa para financiamento dos sindicatos de uma forma legal. Todos queremos o fim do imposto sindical, mas não podemos asfixiar financeiramente os sindicatos – argumenta.

No entanto, a cobrança da comissão não é consenso entre sindicalistas. A tal ponto de as centrais sindicais terem aberto na semana passada uma ‘concorrência pública’ entre bancos para estimular a redução das taxas para a concessão do crédito em consignação, mas cada uma tenderá a fechar seu próprio contrato, evitando um acordo padronizado que necessariamente estabeleça um critério único de cobrança de comissão.