Empresário escapa de seqüestradores em São Vicente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de janeiro de 2005 as 09:27, por: cdb

 O comerciante Harutaka Yamamoto, de 65 anos, conseguiu escapar das mãos de três seqüestradores em São Vicente, litoral paulista, após abrir o porta-malas do próprio o carro, onde foi trancado. Yamamoto trafegava em seu Honda Civic cinza pelas ruas do Parque Pitaru, por volta das 15h30, quando foi atacado por Élder Manta da Silva Cristiano Barbos Pereira e Cristiano Martins Bittar. Armados, os criminosos trancaram o comerciante no porta-malas do Honda e deram início ao seqüestro.

Minutos depois, a vítima já havia conseguido destravar o porta-malas e esperava por um momento certo para sair do carro. Quando o bandido que estava ao volante passou por uma lombada, reduzindo a velocidade do veículo, Yamamoto abriu a tampa do porta-malas, pulou e fugiu, sem que o trio tivesse tempo de ir atrás dele.

Uma equipe do Corpo de Bombeiros da Praia Grande foi acionada – pois todas as viaturas de São Vicente estavam em outras ocorrências – e encaminhou a vítima, com ferimentos na cabeça, ao pronto-socorro do Hospital São José, no Centro.

Imediatamente, os bombeiros acionaram colegas da 3ª Companhia do 39º Batalhão de Policiamento Militar do Interior (BPM/I), que começaram a caçar os bandidos. A localização ocorreu rapidamente e a perseguição terminou na altura do quilômetro 285 da Rodovia Padre Manoel da Nóbrega, no Parque das Bandeiras, onde o Honda capotou. Os três seqüestradores foram levados ao pronto-socorro Humaitá e, de lá, para o 3º Distrito Policial de São Vicente.

Enquanto esperava para ser interrogado pelo delegado, Bittar disse aos PMs que estava com fortes dores na cabeça e teve de ser levado novamente para o pronto-socorro, onde acabou morrendo. Um laudo do Instituto Médico-Legal (IML) vai apontar a causa da morte do criminoso. Nenhuma arma foi encontrada com os bandidos. A polícia acredita que eles, ao verificarem que a vítima havia escapado e já tinha acionado a polícia, deram fim às armas