Empresário de comunicação teme calote de Serra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 2 de outubro de 2002 as 11:13, por: cdb

“Com a proximidade das eleições, começamos a acreditar na possibilidade de calote”. Algum banqueiro ou investidor enfurecido pretendendo disseminar o “terror econômico” com a possibilidade da vitória da oposição para a Presidência da República? Não. A frase é de Luiz Roberto Valente Filho, presidente da Central de Outdoor (entidade que congrega empresas exibidoras de outdoors de todo o país) e diretor-executivo das empresas Colagem e Exibição, e diz respeito à possibilidade de calote do candidato do governo, José Serra (PSDB), aos fornecedores de mídia exterior.
Valente expressou sua preocupação à Meio & Mensagem, publicação especializada no setor. “Ciro e Garotinho estão em dia, o Lula tem alguns pagamentos atrasados, mas vem pagando. Só o Serra, até onde sei, não está pagando ninguém. E não é um problema do partido. O Geraldo Alckmin (candidato ao governo de São Paulo) também contratou serviço de várias empresas e pagou”, afirmou.

Só para as empresas de Valente Filho, a campanha de Serra deve cerca de R$ 60 mil – duas inserções de 14 dias, em cerca de 20 pontos cada. “No país inteiro, só com outdoors, estimo que a dívida passe de R$ 1 milhão. Com mídia exterior, em geral, seriam mais de R$ 3 milhões. A desculpa é a mesma, dizem que vão pagar, mas estão sempre adiando”.

“Se Serra for para o segundo turno, talvez pague, porque aí vai precisar”, disse o executivo à M&M.

À publicação especializada no ramo de publicidade, a assessoria de imprensa da campanha de Serra reafirmou o compromisso de que todas as eventuais dívidas serão pagas.