Emprego recua, mas vendas no comércio avançam

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 15 de janeiro de 2007 as 12:04, por: cdb

Em relatório divulgado na manhã desta segunda-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que o emprego na indústria brasileira recuou 0,2% em novembro frente a outubro, informou o  nesta segunda-feira. Em relação a novembro do ano passado, o índice apresentou ligeiro acréscimo de 0,6% –melhor resultado de de julho de 2005, quando houve uma expansão de 1,2%. Até agora, o emprego industrial é negativo (-0,2%). O acumulado nos últimos 12 meses aponta a mesma redução (-0,2%).

Se comparado a novembro de 2005, nove das 14 regiões tiveram aumento no contingente de trabalhadores ocupados; e 10 do 18 segmentos apresentaram contribuição positiva. As principais regiões que apresentaram alta foram Norte e Centro Oeste (8,2%), São Paulo (1,1%) e região Nordeste (1,1%). No indicador acumulado no ano, as demissões superaram as admissões em 10 setores, com destaque para calçados e artigos de couro (-13,1%), máquinas e equipamentos (-6,9%), e vestuário (-5,4%).

As horas pagas na indústria, indicador antecedente de contratações, apontaram para um avanço de 1,3% em relação ao mês anterior. O valor real da folha de pagamento dos trabalhadores da indústria, descontados os efeitos sazonais, recuou 4,2% em relação ao mês anterior –primeira queda depois de três altas consecutivas.

No comércio

As vendas do comércio varejista, no entanto, registraram alta de 0,56% novembro na comparação com outubro (série com ajuste sazonal). Trata-se do quarto mês consecutivo de aumento, embora o ritmo de alta tenha perdido fôlego nos últimos dois meses. Em relação a novembro do ano passado, a expansão das vendas foi de 9,22%. Nos primeiros 11 meses do ano o crescimento é de 6,25%. Nos últimos 12 meses, a expansão chega a 6,10%.

O setor de Hipermercados, Supermercados, Produtos Alimentícios, Bebidas e Fumo, que tem maior peso no índice, subiu 0,22% na comparação com o mês anterior. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o segmento teve expansão de 9,17%. Também registraram alta no mês passado os setores de tecido, vestuário e calçados (5,74%); combustíveis e lubrificantes (2,05%); e móveis e eletrodomésticos (0,51%).

Por Estados, as vendas do comércio cresceram em 23 das 27 unidades da federação em relação a novembro do ano passado. As maiores altas ocorreram no Acre (6,79%) e Amazonas (4,04%). São Paulo teve uma queda de 0,07%.

A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) é realizada mensalmente pelo IBGE em todo o país. Para mensurar o desempenho do setor, o IBGE apura a receita bruta de revenda das empresas varejistas formais com 20 ou mais pessoas ocupadas. Ao todo, são 9 mil informantes em todo o território nacional.