Empregada doméstica faz denúncia contra cônsul-geral do Chile

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de novembro de 2003 as 04:06, por: cdb

Uma empregada doméstica apresentou acusações contra o cônsul-geral do Chile em Melbourne por tê-la fechado em seu quarto e pago abaixo do salário mínimo.

No entanto, fontes da embaixada chilena em Canberra, asseguraram, nesta terça-feira, que o cônsul, Antonio Pena, ‘cumpriu estritamente e até em excesso’ as condições estabelecidas pela Guia Protocolar do ministério de Assuntos Exteriores.

A filipina Jean Adoval alega ter recebido mais ou menos 700 dólares americanos mensais em troca de cozinhar, limpar e cuidar da filha do cônsul em uma jornada de trabalho de 12 a 16 horas diárias.

Adoval afirma que o salário mínimo na Austrália é de aproximadamente 1.255 dólares.

Segundo a trabalhadora filipina, um abscesso na perna a impediu de trabalhar durante uma semana e isso causou um problema entre ela e o cônsul, que a fechou em seu quarto por um fim de semana antes de enviá-la de volta às Filipinas.

A Embaixada chilena assegurou que as acusações de Adoval são falsas e que foi ela que ‘cometeu abuso físico e bateu na filha do cônsul’.

Esse incidente motivou Pena a finalizar antecipadamente o contrato de trabalho com Adoval e cumprir com sua obrigação de pagar a sua empregada a passagem de retorno ao país de origem, explicou a legação chilena.

O advogado de Adoval apresentou ontem, segunda-feira, uma demanda contra Pena ante o Tribunal de Magistratura de Melbourne, na qual a trabalhadora filipina pede 35.000 dólares pelos salários não recebidos.