Emissão de gases do efeito estufa pode crescer, alerta ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de novembro de 2005 as 12:23, por: cdb

As emissões dos gases responsáveis pelo efeito estufa podem voltar a crescer nos países ricos nos próximos anos, depois de uma queda generalizada na década passada, provocada pelo colapso da indústria nos países da ex-União Soviética, segundo dados divulgados na quinta-feira pela Organização das Nações Unidas (ONU). As emissões desses gases diminuíram 5,9 por cento entre 1990 e 2003 em 40 países desenvolvidos, aí incluídos alguns ex-comunistas. Isso está levemente além da meta de 5,2 por cento de redução até 2012, tal qual prevê o Protocolo de Kyoto.

“Novos esforços são necessários para manter essas reduções e diminuir ainda mais as emissões”, disse um relatório do Secretariado para a Convenção-Quadro da ONU sobre Mudança Climática, que funciona em Bonn. O texto prevê que até 2010 as emissões podem superar em 10,6 por cento os níveis de 1990. O documento alerta ainda que a maior parte da redução ocorreu no começo da década de 1990, quando as fumacentas indústrias da ex-União Soviética e do leste europeu fecharam as portas, junto com a mudança de regime político.

– As projeções dos gases do efeito estufa indicam a possibilidade de crescimento das emissões até 2010. Isso significa que garantir reduções contínuas e mais profundas ainda é um desafio para os países desenvolvidos, disse Richard Kinley, diretor-interino do secretariado.
A ONU realiza entre 28 de novembro e 9 de dezembro uma reunião em Montreal (Canadá) para rever o Protocolo de Kyoto e analisar formas de abranger países que não participam, como Estados Unidos, China e Índia, depois de 2012, quando ele expira.

Muitos cientistas consideram que os gases do efeito estufa, especialmente o dióxido de carbono emitido por carros, fábricas e usinas termoelétricas aumentam as temperaturas do planeta e poderão provocar catástrofes climáticas, como secas, inundações, desertificação e elevação do nível dos mares. Segundo os dados do secretariado, a Lituânia teve a maior redução nas emissões entre 1990 e 2003,  66,2 por cento. Em seguida vêm seus vizinhos bálticos Letônia (58,5 por cento) e Estônia (50,8 por cento).

Entre os outros países que tiveram reduções a partir de 1990 estão a Rússia (38,5 por cento), a Alemanha (18,2), a Grã-Bretanha (13) e a França (1,9). Na outra ponta da tabela vêm a Espanha (aumento de 41,7 por cento entre 1990 e 2003), Mônaco (37,8), Portugal (36,7), Grécia (25,8) e Irlanda (25,6). Entre os países em desenvolvimento, 29 apresentaram dados relativos aos anos de 1994 e 1990. Desses, 15 tiveram aumento, o recordista foi o Paraguai, com 114 por cento, e 14 tiveram redução, destaque para Cuba, com 40 por cento.