Embratel lidera o ranking de reclamações

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de março de 2003 as 16:35, por: cdb

As empresas de telefonia lideram pelo quinto ano consecutivo o ranking de reclamações da Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual. Entre janeiro e dezembro de 2002, a Embratel foi a empresa com maior número de queixas dos consumidores, com 1.255 reclamações. A operadora de longa distância desbancou a Telefônica, primeira colocada no ano passado, que recebeu 863 reclamações e ficou na quarta colocação neste ano.

A Sul América Capitalização ficou com o segundo lugar do ranking, com 1.041 reclamações. A terceira posição está com a Credisul Recuperadora de Crédito, com 927 queixas, e a quinta posição é da distribuidora de energia elétrica Eletropaulo, com 653 reclamações.

Embratel reconhece reclamações e falhas

No caso da Embratel, a diretora de atendimento do Procon-SP, Maria Lumena Sampaio, destacou como principal problema a cobrança realizada por provedores estrangeiros de Internet. Uma espécie de golpe via Internet, em que sites estrangeiros instalam um provedor próprio dentro dos computadores sem que o usuário saiba.

“Este tipo de conexão ocorre em sites e downloads gratuitos de sites eróticos e jogos estrangeiros. Arquivos desconhecidos realizam a conexão com um provedor estrangeiro e desligam automaticamente a conexão com o provedor nacional”, explica Maria Lumena. No final do mês, essas ligações aparecem na fatura enviada pela Embratel, causando o elevado número de reclamações de consumidores contra a empresa.

A empresa informou ao Procon-SP que não tem como controlar essas chamadas e que não irá ressarcir os consumidores prejudicados. De acordo com a sua Assessoria de Imprensa, a empresa reconhece a existência das reclamações por parte dos consumidores e afirma que pretende solucioná-las da melhor forma.

A Embratel avisa que os números de queixas registradas no Procon-SP não correspondem com os da empresa. No ano passado, a Embratel registrou 1.911 reclamações e, desse total, 1.077 foram solucionadas. Segundo informou a Assessoria de Imprensa, as demais reclamações não foram solucionadas por falta de justificativa técnica para o problema reclamado.

Telefônica sai do topo

A Telefônica, que era a campeã de reclamações em 2001, com 1.387 queixas, ficou na quarta colocação em 2002, com 863 reclamações. Maria Lumena não credita que a queda no ranking de reclamações foi motivada por uma melhoria do serviço da empresa. “A qualidade dos serviços da empresa ainda apresenta falhas e o consumidor sofre com a cobrança indevida de pulsos e serviços e com a instalação de linhas em lugares distantes”, alerta a diretora de atendimento do Procon-SP.

Maria Lumena destaca que, além do problema da falta de discriminação de pulsos e detalhamento das contas, a empresa vem cobrando uma taxa adicional de instalação de telefones em regiões periféricas da Grande São Paulo. “A Telefônica está exigindo uma taxa adicional para instalar linhas em regiões de baixa renda. Apesar de estar de acordo com a legislação do setor, o Procon-SP considera esta cobrança abusiva”, explica.

Em nota oficial, enviada pela Assessoria de Imprensa, a Telefônica avisa que as 863 queixas registradas em 2002 correspondem a uma reclamação para cada grupo de 7 mil clientes ou 0,014% dos atuais 6 milhões de assinantes na capital paulista. A empresa também destaca que, desde 1999, quando o total chegou a 10.045, principalmente em função da expansão acelerada da rede, a queda atingiu 91,41%.

“Em relação ao ranking do Procon, é preciso entender que ele mostra números absolutos, sem levar em conta as dimensões da base de clientes das empresas que constam da lista. Se a dimensão da base de clientes da Telefônica fosse considerada, a empresa nem faria parte do ranking” diz Fernando Xavier Ferreira, presidente do Grupo Telefônica do Brasil. “Qualidade é um dos principais valores e uma das maiores prioridades do Grupo Telefônica no Brasil e no mundo”, complementa.

Eletropaulo e Credisul foram