Embaixador dos EUA diz que morte da missionária foi “brutal” e “insana”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de fevereiro de 2005 as 16:38, por: cdb

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, John Danilovich, afirmou, por meio de nota, que a embaixada está acompanhando de perto a investigação do assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, executada no Pará com seis tiros de armas diferentes.

– Estamos confiantes de que haverá uma investigação completa e detalhada desse assassinato e que os responsáveis serão trazidos perante a justiça – afirma.

O embaixador diz ainda que está chocado com o assassinato da irmã que classificou como “brutal e insano”. Segundo ele, Stang era uma pessoa corajosa que amava o povo brasileiro e dedicou sua vida ao serviço dos menos favorecidos.

– Compartilho do sentimento de ultraje pela morte de Stang com sua família, sua ordem, seus amigos e colegas no Brasil que trabalharam com ela ao longo dos anos.

Segundo o embaixador, a missionária tinha o apoio do governo norte-americano, através da Agência Norte-Americana para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), para trabalhar em favor das mulheres e das populações indígenas da Amazônia.

Dorothy Stang, naturalizada brasileira, foi assassinada no município de Anapu, interior do Pará, na madrugada de sábado (12). Ela trabalhava há mais de 30 anos no estado em favor de causas ambientais e trabalhadores sem-terra. Dorothy denunciou várias ameaças de morte que recebia por conta de sua luta contra a violência fundiária e grilagem de terra. A justiça paraense decretou a prisão temporária de três suspeitos de participação no assassinato da missionária nesta segunda-feira.