Embaixador diz ter esperança em fim de seqüestro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 29 de janeiro de 2005 as 12:27, por: cdb

O embaixador brasileiro em Amã, Antônio Carlos Coelho da Rocha, afirmou neste sábado que têm esperanças na libertação do engenheiro brasileiro João José Vasconcelos Jr, seqüestrado no Iraque há dez dias.

– Temos esperança. Vamos trabalhar até o final – afirmou o representante do Brasil na Jordânia.

Indagado sobre o estado de saúde de Vasconcelos, o embaixador disse, no entanto:

– Não temos informações de nenhum dos lados.

Na sexta-feira, havia sido divulgado pela imprensa que o embaixador Affonso Celso de Ouro-Preto, enviado pelo Itamaraty a Amã para acompanhar o caso, iria à Síria negociar a colaboração do país na resolução do seqüestro.

Ajuda síria

Na semana passada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva telefonou ao presídente sírio, Bashar al-Assad, para que ele interviesse na tentativa de negociar a libertação do engenheiro.

O líder sírio disse que seu país estaria disposto a colaborar com o governo brasileiro.

Mas o embaixador Coelho da Rocha não confirmou nem descartou a viagem do enviado especial à Síria, limitando-se a dizer:

– Há várias possibilidades.

Sigilo

Coelho da Rocha, o representante do Núcleo de Iraque, Paulo Joppert Crissiúma, e o enviado especial do Itamaraty, Affonso Celso de Ouro-Preto, passaram parte da sexta-feira reunidos na embaixada em Amã.

Os três trabalham juntos na tentativa de obter a libertação do engenheiro brasileiro.
Os diplomatas têm no entanto mantido sigilo em relação aos detalhes da estratégia que está sendo adotada.

Eleições

Desde a sua chegada a Amã, Ouro-Preto teria se encontrado com representantes de várias embaixadas estrangeiras na capital jordaniana, entre elas as da Espanha, China, Itália e Grã-Bretanha, países que já tiveram cidadãos seqüestrados no Iraque.

A embaixada não revelou o resultado dessas consultas.

Os diplomatas também estariam tentando contactar a Associação dos Clérigos Muçulmanos no Iraque, grupo que ajudou na libertação de três reféns japoneses no ano passado, mas até a tarde de sexta-feira esse contato não havia sido estabelecido.

A proximidade das eleições no Iraque, marcadas para domingo, pode estar dificultando a obtenção de informações sobre o paradeiro de João Jose Vasconcelos Jr. ou sobre as intenções do grupo que o seqüestrou.

As fronteiras do Iraque estao fechadas, e várias medidas de segurança foram implementadas restringindo o movimento de pessoas e de veículos no país.

Vasconcelos, que trabalha para a empresa Norberto Odebrecht, desapareceu na quarta-feira, dia 19 de janeiro, na cidade de Beiji, onde a companhia realizava reparos em uma usina termoelétrica.

O grupo Saraya (Brigadas) Al-Mujahedin teria assumido o seqüestro em um vídeo transmitido no sábado pelo canal de TV árabe Al-Jazeera. Os insurgentes teriam realizado o ataque em conjunto com um outro grupo insurgente, o Ansar Al-Sunna.