Embaixadas suecas de todo o mundo vão fazer casamentos de homossexuais

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de março de 2003 as 18:37, por: cdb

A Suécia anunciou nesta sexta-feira a intenção de que suas embaixadas em todo o mundo façam casamentos homossexuais, o que é proibido em muitos países, segundo a chanceler Anna Lindh.

A Suécia tem cerca de cem embaixadas, e 21 delas já estão autorizadas a casar heterossexuais se ao menos um dos cônjuges for cidadão sueco. O governo quer agora que as mesmas embaixadas passem a casar também homossexuais.

“É muito importante que os funcionários públicos suecos que oficiam os matrimônios também tenham autorização para fazer registros de parcerias civis”, disse Lindh.

Parceria civil é o nome técnico para as uniões homossexuais na Suécia, um país conhecido por sua tolerância. A parceria civil garante os mesmos direitos de um casamento comum.

“Uma vez estabelecido que um país aceita o registro da parceria, vamos começar a autorizá-las”, disse a ministra.

Numa primeira fase, oito países devem ser incluídos – França, Israel e Portugal são os mais prováveis. A Arábia Saudita, onde a embaixada sueca realiza casamentos heterossexuais, ficará de fora por causa da sensibilidade religiosa da questão.

Soren Andersson, presidente do principal grupo gay da Suécia, disse que os comentários de Lindh, feitos no Parlamento, representam um importante passo rumo à igualdade de direitos entre homo e heterossexuais.

A Suécia, um dos poucos países europeus que garantem por lei os direitos de casais gays, foi também o primeiro do continente a permitir a adoção de crianças estrangeiras por homossexuais.