Em discurso de despedida do Senado, Alencar destaca ‘lições de brasilidade’ deixadas pela Casa 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de março de 2011 as 12:46, por: cdb

Lições de brasilidade. Esse foi um dos maiores legados do Senado Federal à trajetória política de José Alencar, segundo ele mesmo reconheceu em seu discurso de despedida da Casa, em 11 de dezembro de 2002, logo após a vitória na chapa liderada por Luiz Inácio Lula da Silva para o comando do Palácio do Planalto.

José Alencar atuou como senador durante quatro anos (1999 a 2002) e abriu mão do mandato para abraçar “grandes causas nacionais – como o combate à fome e à desigualdade de renda -, com o olhar afiado para ver o Brasil por inteiro em toda a sua unitária dimensão”.

– Aqui é o momento da despedida. Circunstâncias levam-me a outra missão. Minha convivência nesta Casa com parlamentares das mais diferentes posições e regiões, defensores de variadas bandeiras de luta, contribuiu para apurar a noção do que seja política elevada. Aqui não aprendi a política rasteira, a política menor, subalterna. Não almejo nem busco a satisfação de necessidades pessoais ou materiais. O que me trouxe à vida pública foi e é a necessidade de realizar um trabalho que me traga a consciência do dever cumprido – afirmou ao deixar o Senado.

Nas confidências sobre sua passagem pelo Parlamento, José Alencar pontuou como uma das principais lições a de que “o Brasil é maior que a soma de suas partes”. Aqui, ele disse ter aprendido “a sobrepor a Federação à soma dos entes federados”.

Na mensagem final aos senadores, José Alencar também demonstrou sensibilidade. Ele deixou a Casa dizendo já sentir “saudade do companheirismo e do ambiente acolhedor” que, como observou, lhe “proporcionaram períodos dos mais enriquecedores de toda a sua existência”.

– No convívio com meus nobres colegas, vindos de todas as unidades da Federação, conheci a síntese de um Brasil fascinante na diversidade de sua cultura, de sua economia, de seu tecido social, de sua geografia física e humana e de sua peculiar unidade lingüística – declarou.

Lembrou ainda que, nos trabalhos de plenário e das comissões, acompanhou “notáveis manifestações de sabedoria, de tolerância, de acatamento, de civilizadas e respeitosas discordâncias e de nivelamento de conceitos quando em jogo estavam os superiores interesses do Brasil”.

O impacto das palavras de José Alencar sobre a instituição – “orgulho nacional”, como ele afirmou – motivou saudações de 28 senadores presentes no momento da despedida. Nos apartes ao seu pronunciamento, eles destaracam a conduta amistosa, simples, humilde, conciliadora e sensata que marcou o desempenho parlamentar do empresário e político mineiro.  

Simone Franco / Agência Senado