Elo entre o homem e o macaco foi encontrado na Etiópia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de abril de 2006 as 19:00, por: cdb

Cientistas norte-americanos acreditam ter descoberto fósseis de um ancestral direto do ser humano, que teria vivido mais de 4 milhões de anos atrás, mapeando um trecho desconhecido da evolução humana. Segundo a matéria divulgada na publicação científica Nature, os fósseis achados pertencem à espécie Australopithecus anamensis, um gênero de hominídeo aceito como um ancestral do homem.

A importância do achado está no fato de relacionar o Australopithecus com hominídeos bípedes mais primitivos, fazendo uma ponte crucial para a compreensão da evolução como um todo. Comparado com outros fósseis da mesma região da Etiópia, o anamensis, de cerca de 4,1 milhões de anos, parece estabelecer uma sucessão evolutiva com espécimes anteriores e posteriores a ele.

– O fato do anamensis estar entre hominídeos de diferentes períodos é muito significativo para esta seqüência etíope – disse o professor Tim White, da Universidade da Califórnia, um dos cientistas que descobriram os fósseis em pesquisas na Etiópia.

Com o achado do anamensis, diminuiria a lacuna no mapa da evolução, entre o Ardipithecus Ramidus, de cerca de 4,4 milhões de anos e o Australopithecus afarensis, que data de cerca de 3,4 milhões de anos atrás.
 
A primeira possibilidade levantada pelos cientistas é a de que uma espécie teria simplesmente evoluído da anterior, mas não está descartada a hipótese de que elas tenham coexistido por um determinado período. Contudo, a descoberta não elimina todas as dúvidas sobre a evolução do Ardipithecus para o Australopithecus.

– Os buracos na teoria não foram completamente preenchidos, você preenche um, mas cria dois outros menores. Agora queremos saber o que aconteceu entre 4,4 milhões e 4,1 milhões de anos. São 300 mil anos. Um período longo para a evolução humana – explicou o professor White.

Vivendo em florestas

Os fósseis encontrados pertencem a oito indivíduos e incluem o maior dente canino de um hominídeo já encontrado e o mais antigo fêmur, além de ossos das mãos e pés. As escavações em Asa Issie, na Etiópia, revelaram restos de porcos, macacos e grandes felinos. A fauna sugeriria que o anamensis vivia numa floresta densa e fechada. O anamensis apresentou uma camada mais grossa de esmalte nos dentes do que o Ardipithecus, sugerindo que o último ainda estava se adaptando a uma dieta mais abrasiva de raízes.