Elevadores do Cristo serão inaugurados no domingo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 17 de janeiro de 2003 as 00:35, por: cdb

Após anos de promessas, será inaugurado no domingo – para convidados – o acesso mecanizado ao Cristo Redentor, com apresentações de Paulinho da Viola, Ed Motta e Leila Pinheiro. Para chegar ao mirante sem precisar subir (e descer) 215 degraus, o público terá à disposição três elevadores panorâmicos e dois lances de escadas rolantes, a partir de segunda-feira, dia de São Sebastião, padroeiro da cidade.

O prefeito Cesar Maia vistoriou nesta quinta-feira a obra, orçada em R$ 6 milhões, e confirmou a data. Ele disse que “em breve” os visitantes do Cristo deverão ter à disposição um novo esquema de transporte.

Nesta quinta, turistas – e cariocas – que não utilizam o trenzinho do Corcovado para chegar ao alto do morro e sobem de carro até o Parque Nacional da Tijuca são obrigados a pagar preços exorbitantes a taxistas que monopolizam o transporte na área.

O motivo é que foi desativado durante a atual reforma o estacionamento que funcionava próximo à escadaria e aos elevadores que agora dão acesso ao mirante. Maia prometeu a criação de uma linha exclusiva de microônibus para visitantes.

A estátua do Cristo, inaugurada em 1931, é o ponto turístico mais visitado do Rio – são cerca de 50 mil pessoas por mês (600 mil por ano). No entanto, esse número corresponde à metade do total registrado há dez anos. “O turismo se multiplica com o boca-a-boca, com a opinião das pessoas. O novo acesso vai permitir que pessoas idosas e portadores de deficiência física visitem o Cristo. São mais de 70 anos de exclusão que vão acabar”, disse o prefeito.

Antes da atual reforma, o monumento havia passado por duas grandes obras. A primeira foi em 1980, para a primeira visita do papa João Paulo II, e a outra, em 1990, quando o Cristo ganhou nova iluminação. Agora, com a instalação de escadas rolantes e elevadores panorâmicos, a próxima promessa da direção do Parque Nacional da Tijuca é a reformulação dos bares, restaurantes e lojas decadentes que funcionam no local.