Eleito presidente da Câmara, João Paulo promete independência

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 2 de fevereiro de 2003 as 20:46, por: cdb

O deputado petista João Paulo Cunha foi eleito no final da tarde deste domingo presidente da Câmara dos Deputados. Em votação secreta realizada no plenário da Câmara, João Paulo recebeu 434 votos, contra 50 brancos e outros nove nulos. Com o resultado, ele se tornou o primeiro parlamentar do PT a presidir a Casa.

Quando o presidente da sessão, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), proclamou o resultado os parlamentares começaram a festejar, jogando papéis para o alto. Eles também repetiram o coro que vinha da galeria, onde crianças gritavam “Tio João Paulo”.

Em seu discurso de posse, João Paulo afirmou que, sobre o seu comando, o parlamento fará as reformas que “se impuserem necessárias”. “Urge definir o ritmo de tramitação da reforma da previdência, da reforma tributária e da reforma política, por exemplo, e transformá-las em prioridade de nossa agenda parlamentar. Fomos eleitos para mudar esse País e o faremos”, disse o deputado.

O novo presidente da Câmara também prometeu independência entre o Legislativo e o Executivo. “Tratarei o Executivo com a cortesia, a seriedade e a conseqüencia necessárias, mas não transigirei em momento algum na defesa de nossa independência institucional. “Ele estará garantida não apenas pela Constituição Federal, mas por meu próprio dever enquanto dirigente maior desse poder soberano.”

Antes de terminar o discurso, João Paulo fez um apelo à paz e disse que, caso a guerra norte-americana contra o Iraque se consuma, a rotina do parlamento será mudada. “Como todas as guerras ele será inócua e não guarda explicação em argumentos razoáveis”. Ele disse ainda que, sob a sua liderança, a Câmara fará todo o possível para deter essa “marcha de insensatos”.

Ao final do dirscurso, citou frase do poeta Carlos Drummond de Andrade ao afirmar “quando nasci um anjo torto me disse: Vai ser gouche na vida”. Enquanto isso, sua mãe chorava no plenário.