Eleições parlamentares ocorrerão em setembro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de março de 2011 as 14:35, por: cdb

 O Conselho Supremo das Forças Armadas confirmou que o ex-presidente Hosni Mubarak está em prisão domiciliar

 

 

28/03/2011

Da redação

 

As primeiras eleições parlamentares no Egito, depois da queda do ex-presidente Hosni Mubarak, ocorrerão no mês de setembro. A informação foi confirmada nesta segunda-feira (28) pelo general Mamduh Chahin, membro do Conselho Supremo das Forças Armadas, instituição que controla o país atualmente.

Chahin também informou que, logo depois das eleições parlamentares, será a vez de os egípcios escolherem um novo presidente. Segundo ele, a data “será anunciada posteriormente”.

O Conselho também anunciou que, ainda antes da votação, será suspensa a Lei de Emergência, em vigor no país desde 1981. A lei suspende direitos civis e concede amplos poderes à polícia, que pode realizar detenções sem acusações.

No início deste mês, os egípcios votaram massivamente em favor de reformas constitucionais, abrindo caminho para as eleições deste ano.

 

 

Partidos

Chahin informou que os militares aprovaram uma lei que relaxa as duras condições de legislação dos partidos políticos, a fim de facilitar a formação de novas alianças. Os partidos da oposição, que haviam sido aniquilados e marginalizados durante o regime de Mubarak, terão, portanto, cinco meses para se preparar para as eleições.

Segundo Chahim, os novos partidos precisarão recrutar cinco mil membros de pelo menos dez das 29 províncias do país.

Nos dias seguintes à saída de Mubarak, a Irmandade Muçulmana havia anunciado sua decisão de se converter em um partido político. Apesar do importante apoio popular que sempre teve no país, a organização, criada em 1928 e ilegalizada pelo estado em 1954, nunca existiu oficialmente como força política.

“Assim que a lei dos partidos políticos for reformada, queremos nos inscrever como tal”, explicou em 18 de fevereiro Mohammad Saadal-Kitani, que encabeçou o bloco legislativo da Irmandade entre 2005 e 2010.

O Conselho Supremo das Forças Armadas tomou o poder no Egito em 11 de fevereiro, quando Hosni Mubarak renunciou ao cargo depois de 18 dias de intensos protestos.

As últimas eleições legislativas ocorreram no final de 2010, com uma vitória do partido de Mubarak, ao mesmo tempo em que os grupos opositores mais importantes se retiraram do pleito, denunciando fraude no processo.

 

 

Prisão domiciliar

O Conselho Supremo das Forças Armadas também confirmou que o ex-presidente Hosni Mubarak está em prisão domiciliar com sua família. Em nota, os militares informaram que o ex-mandatário e sua família não estão autorizados a deixar o país, negando assim informações de que Mubarak teria ido para a Arábia Saudita.

“Não há verdade nas informações de que o ex-presidente Hosni Mubarak deixou o Egito para Tabuk, na Arábia Saudita. Ele está em prisão domiciliar, com sua família, no Egito”, afirma o texto.

Mubarak, de 82 anos, sua esposa Suzanne e seus dois filhos, Alaa e Gamal, junto a suas esposas, estariam em Sharm el Sheij, um balneário egípcio no Mar Vermelho.

Reportagens sugeriram que Mubarak teria ido para Tabuk para receber tratamento médico. O diário estatal  Al-Akhbar chegou a informar que Mubarak estaria se tratando contra um câncer.

 

 

(Com informações de agências)