El País: Petistas querem nova perestroika

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 10 de fevereiro de 2005 as 12:27, por: cdb

Dividido entre um passado de oposição e “radicalismo de esquerda” e seu presente no governo, de um “neoliberalismo de corte europeu”, o PT comemora seus 25 anos de fundação pensando em realizar sua “perestroika” (movimento reformista que deu transparência às instituições da antiga União Soviética), diz a edição desta quinta-feira do jornal espanhol El País, um dos mais importantes da Europa.

O momento que poderia dar início à “perestroika” do PT deverá ser o 13° Encontro Nacional do PT, em dezembro deste ano, quando deverá ser aprovado o programa para a reeleição de Lula, que deverá estar “a mil anos-luz do que o PT tradicional defendeu em sua intensa história política e sindical”, segundo o El País.

O drama atual do PT foi não fez uma revisão interna antes de chegar ao poder, como o Partido Socialista Espanhol de Felipe González, como criticou o ex-ministro da Educação Cristovam Buarque – um dos seus fundadores – segundo o El País.

“O PT chegou ao poder com uma visão das coisas que podia lhe valer na oposição, mas não no governo”, diz o jornal espanhol.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, para ser eleito, “renunciou desde o primeiro momento a muitas das exigências esquerdistas de seu partido”, diz o El País, que menciona a “Carta ao Povo Brasileiro” (documento lançado pela sua candidatura à Presidência em junho de 2002 no qual afirmava seu compromisso com a estabilidade fiscal e monetária).

O diário espanhol diz ainda que, segundo analistas, “o PT não entendeu que as eleições foram ganhas por Lula, e não pelo partido”. “Os eleitores lhe deram 50 milhões de votos, mas não a maioria no Congresso, obrigando-o a fazer acordos com os outros partidos de centro-direita.”