Egito discute com palestinos um cessar-fogo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 15 de junho de 2003 as 13:45, por: cdb

Mediadores egípcios tentavam neste domingo convencer grupos extremistas palestinos a aceitarem um cessar-fogo com Israel, ao mesmo tempo em que o Estado judeu anunciou considerar uma retirada gradual de grandes áreas da Faixa de Gaza e da cidade de Belém, na Cisjordânia.

Conseguir um apoio dos grupos palestinos a uma trégua é crucial para a implementação do plano de paz apoiado pelos Estados Unidos, conhecido como mapa do caminho. Há grandes expectativas de que desta vez o Egito consiga estabelecer uma trégua depois de várias tentativas frustradas em meses recentes.

Os mediadores egípcios chegaram à região horas depois de o chefe palestino de segurança, Mohammed Dahlan, ter conversado com o general de divisão israelense Amos Guilad.

Dahlan propôs a retiradas das forças israelenses de Gaza a uma posição anterior ao início da atual intifida, em setembro de 2000. Dahlan também pediu a Israel que se retire das cidades de Belém e Ramallah, na Cisjordânia, esta última o centro administrativo palestino.

O ministro israelense de Defesa, Shaul Mofaz, confirmou neste domingo que considera a retirada de partes de Gaza e de Belém.

– Estamos tratando dos detalhes de logística sobre onde estão as fronteiras e quem ficará a cargo de cada uma das áreas – disse Mofaz aos ministros do gabinete, segundo uma alta fonte israelense.

Em uma primeira fase, Israel sairia das cidades de Beit Hanoun e Beit Lahia, no norte de Gaza.

Ao mesmo tempo, as forças israelenses entraram neste domingo em Beit Hanoun, desencadeando um tiroteio no qual um palestino morreu e sete outros ficaram feridos.

Os palestinos disseram que o homem morto era comandante local da milícia Brigada dos Mártires de Al Aqsa e que havia sido, de fato, o alvo dos soldados. O Exército israelense não comentou o assunto.

A renovação de contatos entre Israel e palestinos ocorre depois de uma semana sangrenta durante a qual 64 pessoas morreram de ambos os lados.

A violência motivou uma intensificação da mediação internacional para se tentar resgatar o novo plano de paz, lançado pelo presidente George W. Bush.

Dois mediadores, assistentes do chefe de inteligência do Egito, Omar Suleiman, chegaram à Cidade de Gaza para se reunir com extremistas palestinos, principalmente com representantes do grupo Hamas. O primeiro-ministro palestino, Mahmoud Abbas, planeja se unir às conversações na segunda-feira.

Fontes próximas às conversações disseram que os líderes extremistas estão dispostos a considerar uma trégua total, e não apenas dentro de Israel, o que já haviam proposto, caso o Estado judeu detenha as execuções seletivas, as incursões e outros ataques militares.