Educação e Saúde ocupam o tempo de campanha dos candidatos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 16 de outubro de 2006 as 10:18, por: cdb

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB), candidatos à Presidência da República no segundo turno, usaram o programa eleitoral gratuito no rádio, na manhã desta segunda-feira, para falar de realizações e promessas de campanha. Na área da Educação, ainda usando como gancho o Dia dos Professores, comemorado neste domingo, Lula prometeu ampliar a presença do governo neste segmento, enquanto Alckmin optou por abordar a área da Saúde.

Em uma das vinhetas usadas na campanha de Lula, o narrador diz que o candidato à reeleição criou 10 universidades e, em tom de brincadeira, afirma “não é Fatec, não”. A abertura de Faculdades Tecnológicas têm sido apresentadas por Alckmin como sua maior realização no Ensino Superior quando governador de São Paulo. O programa do PSDB iniciou com uma crítica aos gastos com publicidade do governo federal, que segundo a campanha de Alckmin foi “uma gastança” de R$ 800 milhões, o equivalente ao necessário para construir 80 mil casas populares.

No encerramento, um narrador “faz as contas” da “corrupção e desperdício” do governo Lula, somando o valor dos gastos com “o Aerolula, a publicidade, o mensalão e o dólar na cueca”. Entre as propostas apresentadas por Lula para a educação está a criação de 300 mil novas vagas para o Programa Universidade para Todos. O programa do presidente citou também a abertura de universidades e escolas técnicas em todas as cidades-pólo do país. No Ensino Fundamental, a principal proposta foi a implementação do Fundeb e do piso salarial nacional para professores.

Alckmin, ressaltando várias vezes que é médico e que, por isso, tem conhecimento e o compromisso para trabalhar bem na área da saúde, prometeu começar a recuperação dos hospitais federais pelo Rio de Janeiro. Em tom personalista, o programa destacou que “dos dez melhores hospitais públicos do país, três são do Geraldo”. Em outro momento, um narrador diz que “nos hospitais do Geraldo, os pacientes são recebidos com atenção e carinho”.