Economia brasileira corre riscos, segundo a OCDE

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 23 de maio de 2006 as 10:15, por: cdb

O período de campanha para as eleições de outubro deve trazer incertezas para o cenário econômico brasileiro, alerta a OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) em relatório divulgado nesta terça-feira em Paris.

“O barulho político, antes das eleições presidenciais de outubro, pode trazer incertezas”, diz o documento que acrescenta ser, portanto, “aconselhável que as autoridades destaquem seu compromisso com políticas econômicas sensatas”.

O relatório, que traz projeções para mais de 30 economias, menciona também o esperado aumento de gastos públicos no Brasil neste ano.

“Novas pressões estão surgindo, incluindo a de um expressivo aumento real do salário mínimo”. Para evitar que essas pressões se transformem em descontrole de preços, a OCDE recomenda que o principal objetivo da política econômica seja o controle da inflação.

Recuperação

O relatório menciona também que o Brasil deve enfrentar bem o esperado período de redução da liquidez nos mercados internacionais.O Brasil, no entanto, não está imune a essa redução da oferta de recursos e “a situação da economia no resto do mundo continuará a pesar no cenário”.
Apesar de mencionar alguns riscos para a economia brasileira, o relatório semestral Economic Outlook traçou um quadro predominantemente positivo para o país.

A previsão de crescimento econômico, por exemplo, foi revista para cima, de 3,7% para 3,8% em 2006. “O crescimento decepcionou em 2005, mas a recuperação está a caminho, baseada no aumento do consumo e das exportações”, diz o relatório.

A OCDE, que reúne os 30 países de maior industrialização do mundo, prevê um crescimento de 3,1% para os seus integrantes, um resultado melhor do que os 2,8% registrados em 2005..