É o lado esquerdo que move o mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 20 de outubro de 2006 as 14:05, por: cdb

No lado esquerdo pulsa o coração que faz a mente pensar e o corpo todo estar em movimento. O esquerdo é o lado da vida, de onde emana a vida, a paixão e a razão de viver. Assim é no ser humano, e na sociedade dos humanos é também o “lado esquerdo” que movimenta a vida. Quando falamos em “Esquerda” não estamos pensando apenas em partidos ou líderes políticos que se identificam com os ideais socialistas. A Esquerda é o conjunto de forças vivas do povo que se movimenta e move a população a lutar em defesa do bem comum. O “lado esquerdo” da sociedade brasileira é o lado onde estão muitos movimentos sociais, ONG’s, pastorais, partidos e os mais variados tipos de associações que trabalham em favor da liberdade, do respeito, da dignidade e da vida das pessoas e de toda a natureza. É o lado onde estão pessoas e organizações que defendem um modo de vida social que possa garantir a vida de todos. O lado esquerdo é múltiplo, não comporta um pensamento único, nem tão pouco o favorecimento de alguns. O lado esquerdo da sociedade, como o lado esquerdo do corpo humano, quer levar vida a todas as partes e células do grande corpo social. Às vezes o lado esquerdo pode ser fragilizado, ferido, mas não perde sua essência e especial função no organismo vida.

O Brasil tem alguns partidos e uma infinidade de movimentos e organizações que são reconhecidos como Esquerda. Temos também várias lideranças políticas, religiosas que assumem uma postura e expressam um pensamento tal que os identificam como Esquerda. Na eleição de 1989, Leonel Brizola falava com muito entusiasmo que era preciso unir a Esquerda em torno do ideal comum de construir um país com democracia, dignidade e justiça social. E dali para frente um caminho de lutas e conquistas foi percorrido pelos partidos, movimentos e organizações da Esquerda brasileira que havia derrubado a ditadura militar.

Ao longo desse novo momento da história, a Esquerda também deu alguns tropeços e teve contra tempos. Setores da esquerda experimentaram o poder político e sentiram as limitações e dificuldades para mudar o Brasil através da via eleitoral. Mas em grade parte demonstraram capacidade de colocar em prática aquilo que se defendia em discursos e teses. E os movimentos sociais também tiveram momentos difíceis, sofrendo perseguição e criminalização, mas não deixaram que se perdessem os sonhos, o carisma e os ideais da Esquerda. E assim, muitas conquistas e vitórias foram se somando ao longo dos anos. A Esquerda está viva e com seu sangue impulsor continua movendo a vida. E deve continuar sempre vivaz, porque do outro lado ainda existe o feros com ímpeto de sangrar a vida.

Olhando ao nosso redor e analisando o baluarte da Esquerda, percebemos que existem fragilidades e falhas, mas estas não vão além do que se compreende como limites humanos que podem ser superados, erros que devem ser consertados e não mais repetidos. Apesar dos que se vendem e dos que se rendem, vale a pena seguir a marcha por justiça e paz, por vida digna e liberdade. Agora vale a pena perseguir o sonho que se sonha com espírito livre e solidário. Seja por fé, por ideal ou por compaixão, desde que seja com amor e liberdade, sempre valerá a pena erguer a bandeira do socialismo, estender a mão e defender a vida das pessoas e da natureza. Quem é livre sabe escolher e quem quer seguir livre sabe também que é o “lado esquerdo” que move o mundo.

Frei Pilato Pereira