É estável estado de vereador baleado em Rio Claro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de janeiro de 2005 as 17:44, por: cdb

O vereador e jornalista Sérgio Carnevale (PFL), de 65 anos, foi ferido com um tiro no rosto quando chegava ao seu escritório, no centro de Rio Claro, a 175 quilômetros de São Paulo, domingo à tarde. O estado de saúde do vereador era estável na tarde desta segunda-feira e ele não corria risco de vida, segundo seu filho, Sérgio Montenegro Carnevale. Um suspeito do crime havia sido detido pela polícia e outro estava sendo procurado.

O vereador contou à polícia que viu dois rapazes parados quando estacionou seu carro em frente ao escritório. Um deles se aproximou e fez o disparo, sem falar nada. Os dois fugiram em seguida. Como não conseguiu ajuda, porque não havia ninguém na rua, Carnevale dirigiu o carro até o hospital de Rio Claro.

– O médico nos disse que por centímetros a bala não atingiu o cérebro. Ela entrou pelo nariz e saiu pelo maxilar – contou Montenegro Carnevale.

Segundo o delegado seccional de Rio Claro, Milton José Triano, todas as hipóteses estão sendo investigadas, mas em um primeiro momento está descartada tentativa de assalto.

– Tecnicamente falando, não tem outra conotação senão crime de motivação pessoal, mas tudo está sendo investigado – afirmou.

A identificação dos dois suspeitos foi feita por meio de denúncia anônima, logo após o crime. Policiais detiveram um deles em casa, em Rio Claro, escondido dentro do guarda-roupa, conforme o delegado. Ele acrescentou que o outro estava sendo procurado no final da tarde de hoje. O rapaz detido negou o crime, mas a polícia pediu sua prisão temporária.

Eleito vereador pela terceira vez, Carnevale mantinha uma coluna em um jornal semanal da cidade e tinha um programa de rádio nos quais tratava de questões de Rio Claro, inclusive casos políticos e policiais. Montenegro Carnevale afirmou que o pai não havia recebido nenhuma ameaça.

– Nessas horas a gente pensa em muitas coisas, mas achamos mais prudente que a polícia investigue se houve motivação pessoal ou política. Não podemos nos manifestar com relação a isso. Meu pai sempre foi muito querido e respeitado na cidade – defendeu. Ele comentou que os parentes estão “rezando muito” pela recuperação do vereador.