Dono do laboratório fabricante do Celobar deve depor

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 8 de junho de 2003 as 21:41, por: cdb

O proprietário do laboratório Enila, Márcio D’Icarahy, deve prestar depoimento na próxima segunda-feira ao titular da Delegacia de Repressão ao Crime Contra a Saúde Pública do Rio, Renato Nunes da Silva. O contraste Celobar, utilizado para destacar órgãos em exames de raio-X e fabricado pelo laboratório, é suspeito de ter causado ao menos 21 mortes no país.

Análise preliminar do Instituto de Controle de Qualidade em Saúde, da Fiocruz, detectou a presença de “grande quantidade” de substâncias químicas tóxicas no lote nº 3040068 do medicamento. Uma das substâncias, o carbonato de bário, é utilizada em venenos para rato.

O Centro de Vigilância Sanitária do Rio realizou inspeções no laboratório Enila. Segundo o governo do Estado, a mais grave das irregularidades encontradas foi a constatação de que o laboratório usou 600 quilos de carbonato de bário, facilmente absorvido pelo organismo, para produzir 595 quilos de sulfato de bário, o princípio ativo do Celobar.

O laboratório não tem autorização da Anvisa, licença estadual ou condições técnicas necessárias para fazer a modificação.

Procedimentos

O químico Antônio Pereira, do laboratório Enila, fabricante do contraste Celobar, vai refazer os procedimentos usados em sua experiência de transformar carbonato de bário em sulfato de bário. A informação é do advogado do laboratório, Paulo Henrique Lins.

Lins disse que o laboratório ainda não recebeu o laudo da Fiocruz que aponta a presença de “grande quantidade” de substâncias tóxicas no medicamento.

Segundo Lins, Pereira disse que a matéria-prima resultante da experiência foi descartada.