Dólar fecha em baixa de 0,44%, cotado a R$ 2,892

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 2 de outubro de 2003 as 17:22, por: cdb

O dólar comercial voltou a sentir o peso dos ingressos de recursos externos ao país e fechou em baixa de 0,44%, cotado a R$ 2,890 na compra e R$ 2,892 na venda. A moeda americana ameaçou uma alta na manhã desta quinta, mas sucumbiu diante do otimismo que embalou todos os ativos brasileiros, com destaque para as ações. O risco-país, que havia tocado os 700 pontos-base, hoje cai para 685 pontos, com queda de 1,58%.
 
Profissionais do mercado afirmam que a queda de hoje é indicativa de uma tendência, que não é mais forte porque o governo não permite. Há a rumores de melhora de classificação de risco, de emissões externas e migração de recursos aplicados em outros países emergentes.

Os ”hedge funds” (fundos agressivos) já estariam trocando ativos mexicanos por brasileiros, por exemplo. Nesta quinta o JP Morgan, que calcula o risco-país, anunciou que elevou sua exposição ao país.
 
— Contra fluxo não há argumento. Há ingressos significativos no mercado e o governo, embora rejeite a palavra intervenção, é quem recolhe os excedentes — afirmou João Medeiros, diretor da corretora Pioneer, uma das maiores de São Paulo.
 
Os juros negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) tiveram queda generalizada, com novas apostas de corte da Selic. Os novos ajustes foram deflagrados nesta semana com a divulgação do relatório de inflação do Banco Central (BC). O documento reduz a projeção de inflação para este e o próximo ano.

Com isso, o mercado voltou a projetar firme trajetória de queda da taxa Selic. O Depósito Interfinanceiro (DI) de janeiro fechou com taxa anual de 18,58% ao ano, contra 18,67% do fechamento de ontem. O DI de abril recuou de 18,12% para 18,03% anuais. O vencimento de julho passou de 17,88% para 17,97%.