Dólar fecha em alta recorde e agora vale menos do que o peso argentino

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 24 de setembro de 2002 as 20:30, por: cdb

As cotações do dólar perderam o controle na tarde desta terça-feira e a moeda norte-americana bateu seguidos recordes de alta desde a implantação do Plano Real, chegando a R$ 3,81, com alta de 6,57% em relação ao fechamento de ontem. A moeda nacional já vale menos do que o peso argentino.
Operadores comentaram que uma sucessão de motivos está provocando a elevação do câmbio. Entre eles, o principal seria o vencimento de US$ 1,52 bilhão em títulos cambiais previsto para amanhã, que o Banco Central resolveu não rolar. Por causa disso, o mercado estaria pressionando a cotação de hoje, que servirá de referência para esse vencimento. Quanto maior for a cotação hoje, mais reais os bancos receberão amanhã no resgate dos títulos.

Além disso, operadores comentam que o fluxo cambial está negativo e o Banco Central seria a única instituição participante do mercado a vender dólares nas mesas de operações. “Só o BC é vendedor. O mercado é francamente comprador”, disse um operador. Outro motivo para a disparada das cotações nesta tarde são boatos de que a pesquisa do Ibope, a ser divulgada hoje à noite, traria um avanço na porcentagem de intenções de votos para o candidato Luiz Inácio Lula da Silva.

Operadores ainda citam a declaração de Lula, em visita hoje ao Grupo Estado. O candidato do PT deixou claro que não manterá Armínio Fraga na presidência do Banco Central caso seja eleito. Há pouco, o dólar chegou a ser negociado a R$ 3,81.

Às 15h50, o dólar comercial era vendido a R$ 3,7900, em alta de 6,01% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 3,5850 e R$ 3,8100. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagavam taxas de 22,120% ao ano, frente a 21,870% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em alta de 0,21% em 9284 pontos.

Tamanha foi a alta que o real vale menos até do que o peso argentino, corroído por anos de câmbio artificial, uma grave crise financeira e política e pela suspensão dos pagamentos da dívida. Cada real compra US$ 0,264, enquanto um peso argentino vale US$ 0,27. Ou seja, um peso custa R$ 1,02 e R$ 1, 0,978 peso.