Dólar comercial fecha estável, cotado a R$ 2,923

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de setembro de 2003 as 17:32, por: cdb

A redução expressiva promovida pelo Banco Central (BC) na renegociação da dívida pública cambial teve efeitos mínimos sobre a cotação do dólar nesta quarta-feira. A moeda americana alternou tendências e acabou por fechar estável, cotada a R$ 2,920 na compra e R$ 2,923 na venda. O fluxo cambial positivo garantiu o equilíbrio da cotação, que chegou a subir 1,23% no período da manhã.

O BC renegociou apenas 13% de uma dívida de US$ 2,4 bilhões que vence no dia 1º. A decisão da instituição reduz a dívida atrelada ao dólar em mais de US$ 2 bilhões. Do ponto de vista do mercado, a redução da rolagem significa liberação do correspondente em reais a mais de US$ 2 bilhões. Esse dinheiro deverá procurar novas alternativas de investimento, o que inclui o dólar à vista. A estimativa inicial era de que o BC renegociasse cerca de 40% da dívida.

Segundo profissionais do mercado, o BC provavelmente reduziu a oferta de swaps cambiais porque detectou baixa demanda por dólares. Além disso, os operadores garantem que o BC sabia antecipadamente que a quarta-feira seria de fluxo cambial positivo, fator que amortece as pressões.

De acordo com os relatos das tesourarias bancárias, as entradas de dólares no país superaram as saídas tanto no segmento comercial (exportações) quanto no financeiro (captações, por exemplo).

— O BC está de parabéns. Soube dosar oferta e procura e com isso reduziu sua dívida sem desequilibrar o mercado. Essa precisão provoca uma sensação de segurança no mercado — disse um profissional de uma grande tesouraria bancária.

A previsão, no entanto, é de que o dólar volte a ser pressionado na próxima semana, por conta da disputa pela ”Ptax”. A Ptax é a taxa média do dólar que remunera contratos no mercado futuro e as dívidas públicas cambiais.

A média do dia 30 (terça-feira) será referência para remunerar a sobra do leilão desta quarta. Como o volume é expressivo, deve ser mais forte a pressão dos investidores para garantir uma remuneração maior no resgate da dívida.

As taxas de juros negociadas na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) fecharam com pequenas oscilações nesta quarta, acompanhando a estabilidade do câmbio. O Depósito Interfinanceiro (DI) de abril de 2004, o mais negociado, fechou projetando taxa anual de 18,22% ao ano, contra 18,23% do fechamento de terça.

O vencimento de janeiro subiu de 18,71% para 18,72% anuais. O dólar futuro também teve pequenas oscilações. O contrato de câmbio com vencimento em outubro fechou em R$ 2,928, com baixa de 0,10%. O de novembro ficou em R$ 2,977, 0,03% abaixo do fechamento anterior.