Dois bombeiros desaparecem no incêndio da Nestlé

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de setembro de 2001 as 19:35, por: cdb

Após 28 horas do início do incêndio que destruiu mais da metade do depósito da Nestlé, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, dois bombeiros continuam desaparecidos. Para o comandante do Corpo de Bombeiros no Estado de São Paulo, coronel Vagner Ferrari, as chances de encontrá-los com vida são muito remotas.

Até o início dessa tarde, alguns focos de fogo não tinham sido debelados, mas estavam restritos à área isolada pelos bombeiros. O trabalho dos bombeiros deve prosseguir durante todo o dia. Devido a grande quantidade de material combustível, há dificuldade na operação.

Representantes do Sindicato de Alimentos do Estado de São Paulo e da Nestlé se reuniram na manhã desta terça-feira e decidiram transferir 208 operários para a unidade de
Cordeirópolis, no interior do estado. Com o incêndio, eles corriam o risco de perder o emprego.

No incêndio, mais da metade do galpão de 45 mil metros quadrados da Nestlé foi destruído, mas nenhuma das 300 pessoas que trabalhavam no prédio se feriu.

O segundo tenente Carlos Alberto Teixeira, 43 anos, e o primeiro sargento Alail Alves Benício, 51, trabalhavam no combate às chamas e desapareceram quando parte da estrutura metálica do depósito desabou. Ambos são do 8º Grupamento do Corpo de Bombeiros de Santo André, município vizinho a São Bernardo.

No local, há três galpões da empresa, com quatro mil metros quadrados cada um. As áreas administrativa e de guarda de produtos refrigerados, como iogurtes e sorvetes, não foram danificadas.