Documentário diz que EUA usaram arma química no Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 8 de novembro de 2005 as 16:53, por: cdb

Um documentário de 20 minutos transmitido nesta terça-feira pela RAI, a TV estatal italiana, acusa o Exército dos Estados Unidos de usar bombas de fósforo contra civis iraquianos na cidade de Falluja em novembro de 2004.
O filme diz que isso representa o uso ilegal de armas químicas, apesar de as bombas serem consideradas dispositivos incendiários.

Testemunhas e ex-soldados americanos afirmam que a bomba foi usada em áreas populosas na cidade controlada pelos insurgentes.

O Exército americano nega as acusações, mas admite o uso de bombas de fósforo no Iraque para iluminar os campos de batalha.

Washington não é signatário de um tratado internacional que restringe o uso de dispositivos de fósforo branco.

Ataque

A transmissão do documentário ocorreu um dia após a chegada à Itália do presidente do Iraque, Jalal Talabani, para uma visita oficial de cinco dias.

A divulgação também coincide com o primeiro aniversário do ataque liderado pelos EUA a Falluja, que provocou a fuga da maioria dos 300 mil moradores da cidade e deixou muitas de suas construções destruídas.

O documentário foi transmitido simultaneamente por um canal aberto da RAI e por seu canal de notícias 24 horas, com um aviso de que algumas das imagens poderiam ser perturbadoras.

O documentário começa com imagens anteriormente classificadas como secretas de militares americanos usando bombas de napalm durante a guerra do Vietnã.

Ele mostra uma série de fotografias de Falluja com corpos com a carne queimada, mas com as roupas ainda intactas – o que seria um dos efeitos do uso de fósforo branco em humanos.

Jeff Englehart, descrito como um ex-soldado americano que serviu em Falluja, conta como ele ouviu em rádio militares ordens para o uso de fósforo branco e diz ter visto o seu resultado.

– Corpos queimados, mulheres queimadas, crianças queimadas. O fósforo branco mata indiscriminadamente… Quando entra em contato com a pele, então é um dano absolutamente irreversível, queimando a carne até o osso, diz ele.

Mitos

Em dezembro, o Departamento de Estado americano divulgou um comunicado negando o que chamou de “mitos generalizados” sobre o uso de armas ilegais em Falluja.

– As bombas de fósforo não são proibidas. As forças americanas as usaram de forma muito esparsa em Falluja para fins de iluminação. Elas foram disparadas no ar para iluminar as posições inimigas à noite, não contra combatentes inimigos, disse o comunicado.

Porém o documentário da RAI também alega que Washington vem tentando sistematicamente destruir as imagens que provariam o suposto uso de fósforo branco contra civis em Falluja.

A opinião pública italiana tem se posicionado consistentemente contra a guerra, e o documentário da RAI deve aumentar ainda mais os pedidos públicos para a retirada dos soldados italianos do Iraque o mais rápido possível.

O governo italiano vem negociando com líderes da oposição uma retirada gradual a partir de 2006.

O presidente iraquiano e os Estados Unidos dizem que a presença das forças internacionais é essencial para a estabilidade do Iraque.