Do INPS ao PSF

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de maio de 2003 as 09:27, por: cdb

Não sei se você é do tempo dos cartões do INPS, documento que precisava ser apresentado nas unidades de saúde para que o cidadão tivesse o atendimento desejado. Estranho, não é? Mas até pouco tempo atrás era assim que funcionava. Somente com a Constituição de 1988 que foi garantido, legalmente, o acesso de todos aos serviços de saúde. Foi ela quem definiu os princípios pelos quais o país deveria criar o seu Sistema Único de Saúde: universalização, integralidade, descentralização, hierarquização e participação popular.
Ou seja, a possibilidades de todos obterem um bom atendimento médico, numa rede pensada racionalmente, incorporando a presença da iniciativa privada e do financiamento público, de acordo com as necessidades locais, e acompanhada pelas organizações da sociedade. Como se pode perceber, não é uma tarefa fácil, e estes princípios ainda não foram atingidos plenamente. Mas não se pode negar que importantes avanços foram obtidos nos últimos anos.
Entre eles, gostaria de destacar a criação do Programa Saúde da Família – PSF, uma proposta pensada para substituir o modelo tradicional de atendimento, centrado no hospital. O PSF tem como prioridade as ações de promoção, proteção e recuperação de todas as pessoas, estejam sadios ou doentes, de forma integral e contínua. Para isso, o Programa centraliza os esforços do seu trabalho nas Unidades Básicas de Saúde, que são capazes de resolver bem, cerca de 85% dos problemas da população, diminuindo as filas para os que precisam realmente de um atendimento mais especializado.
Por outro lado, é preciso pensar mais em saúde do que na sua ausência. E pensar em promoção de saúde é articular ações deste setor com outras áreas da administração – educação, meio ambiente, segurança, geração de emprego e renda etc – elevando a qualidade de vida da população e garantindo a sua cidadania. Portanto, pensar em promoção de saúde não é só pensar em remédios, leitos, médicos e postos. É pensar um projeto de nação saudável que, conseqüentemente, seja habitada por um povo saudável.
Um abraço, saúde e sorte.