Dirigentes do Hamas e Jihad irão ao Cairo para discutir trégua

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 23 de junho de 2003 as 21:21, por: cdb

Líderes do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) e da Jihad Islâmica viajarão ao Cairo para discutir com o Governo egípcio sobre a trégua que proposta pelo primeiro-ministro palestino, Mahmud Abas (Abu Mazen), para salvar o plano de paz articulado no Mapa de Caminho.

– Estamos tentando convencer o Hamas e Jihad que ponham fim a sua resistência armada durante um período de trégua, no qual trabalharemos para aplicar o Mapa de Caminho – declarou o ministro das Relações Exteriores egípcio, Ahmed Maher, à televisão israelense.

Maher especificou, no entanto, que havia alguns problemas com Hamas porque aparentemente colocou condições e só estaria disposto a aceitar uma trégua de três meses.

Segundo o chefe da diplomacia egípcia, outras das condições impostas, aparentemente, pelo Hamas é que Israel liberte todos os palestinos presos em suas prisões. Fontes egípcias informaram nesta segunda que a resposta do Hamas e da Jihad Islâmica a essa trégua será anunciada no Cairo no próximo fim de semana.

O anúncio será apresentado ao público provavelmente depois das reuniões que Jaled Mashal, chefe do escritório político do Hamas com base em Damasco, realizará no Cairo com representantes do Governo egípcio e da Autoridade Nacional Palestina (ANP).

A Jihad Islâmica enviará ao Cairo Ramadã Shalaj, líder da organização, que aparentemente está tendo problemas para convencer a seus ativistas para se unirem ao cessar-fogo.

Os termos dessa trégua continuam sendo um mistério, mas distintas fontes apontaram para um compromisso por parte dessas organizações para que cessem seus ataques contra alvos judeus tanto em território de Israel como na Cisjordânia e Gaza.

Em troca desse fim dos atentados e ataques palestinos, em um acordo não vinculante legalmente, Israel se comprometerá a retirar suas forças de Gaza e Belém (Cisjordânia), assim como cessar sua política de assassinatos seletivos, uma exigência que feita pelos EUA na semana passada.

Por enquanto também não se sabe o alcance do compromisso israelense, já que altos comandantes garantem que continuarão com os atentados a bomba.

O acordo em gestação entre Israel e a ANP está sendo negociado por estes dias, e nesta segunda, delegados de ambos governos mantiveram uma reunião na passagem fronteiriça de Erez que qualificaram de positiva, embora por enquanto sem resultados concretos.