Direita aproveita clima de insegurança

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 28 de maio de 2006 as 16:17, por: cdb

Violência e fascismo

O recrudescimento da violência faz aparecer traços de fascismo em muita gente. O “general do Carandiru” e hoje deputado Luiz Antônio Fleury (PTB-SP) pede mais dureza no trato aos bandidos – “é preciso deixar a polícia trabalhar” – e diz que, diferentemente do que ocorreu agora em São Paulo, na matança do Carandiru sua polícia “só matou condenados”. Como se houvesse entre as vítimas algum condenado à morte…

 

Candidato a capo da direita

O prefeito Cesar Maia é um surfista nas oportunidades da política, quaisquer que sejam elas. Começou na centro-esquerda, à sombra de Brizola, no PDT. Depois andou pelo PMDB e pelo PTB. Hoje está no PFL. Já se apresentou como misto de político e tecnocrata. Agora, tenta se cacifar para chegar a chefe máximo da direita no país. Aproveitou a eleição na Colômbia, neste domingo, para dizer que o Brasil precisa de um Uribe – o presidente de extrema-direita que deve se reeleger. Maia pensou em si próprio quando disse isso. Mas esqueceu-se de que Uribe teve ligações com grupos de extermínio de direita e foi acusado de cumplicidade com o tráfico de drogas. Como paradigma, é vulnerável.

 

Quem paga o advogado de Ronivon?

O ex-deputado Ronivon Santiago (PP-AC), acusado de ser um dos sanguessugas que ganhavam no superfaturamento de ambulâncias, estava foragido e se entregou sábado à Polícia Federal. Não é a primeira vez que Ronivon se vê encalacrado. Em 1997, renunciou ao mandato de deputado federal para não ser cassado, depois de admitir que fora subornado para votar a favor da emenda da reeleição. Segundo depoimentos nas CPIs, seu advogado foi pago pelo…PT, com dinheiro de Delúbio e Marcos Valério. Agora, quem será que vai pagar o advogado?

 

Contra o voto nulo, pelo voto consciente

A enxurrada de denúncias envolvendo o PT e a traição de Lula ao que prometera ao longo de sua vida política fizeram com que os partidos fossem jogados numa espécie de vala comum. Isso fez aparecer uma tendência ao voto nulo como forma de protesto. Caso prospere, vai ser ruim para o país. Se as pessoas mais críticas e conscientes optarem por anular o voto, aí mesmo é que mensaleiros, delúbios e que tais vão fazer a festa.