Diplomatas iraquianos são expulsos da Itália

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 23 de março de 2003 as 13:41, por: cdb

Quatro dos oitos membros da delegação diplomática do Iraque em Roma foram expulsos pelo governo italiano, informaram este domingo em Roma fontes do ministério de Assuntos Exteriores citadas pela imprensa local.

As expulsões ocorreram dois dias depois do ministro de Assuntos Exteriores, Franco Frattini, declarar que o Governo de Roma estava “avaliando” o pedido feito pelos EUA de expulsar diplomatas iraquianos suspeitos de atividades incompatíveis com seus cargos.

O Iraque está representado na Itália por um encarregado de negócios, e segundo a agência AGI, como chefe da delegação de Badgá fica Fares Ali Al-Shoker.

Nada mais foi divulgado sobre o assunto, apenas o descontentamento do Democráticos de Esquerda (DS), o primeiro partido da oposição, membro da coalizão Oliveira, que expressou seu “descontentamento” e exigiu do Governo uma resposta imediata.

“Exigimos que o governo explique o que lhe levou a tomar uma decisão de tal gravidade”, disse Marina Sereni, responsável de exteriores dos DS.

O líder dos Verdes, Alfonso Pecoraro Scanio, afirmou que a expulsão é uma coisa gravíssima, “um ato de guerra”.

Segundo Pecoraro Scanio, a Itália está se comportando como um país beligerante. O líder verde acusou o governo de Berlusconi de ser submisso aos americanos e de atuar de maneira hipócrita.

Já o ex-ministro das Relações Exteriores Lamberto Dini manifestou que uma medida desse tipo só se justificaria caso a Itália estivesse em guerra contra o Iraque.