Dieta mediterrânea melhora resistência do organismo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de abril de 2006 as 19:24, por: cdb

Pessoas que seguem uma dieta saudável, no estilo mediterrâneo, podem reduzir em até 40% os riscos de desenvolver o Mal de Alzheimer, diz estudo norte-americano, divulgado nesta terça-feira. Pesquisadores do Columbia University Medical Center, nos Estados Unidos, analisaram as dietas e a saúde de 2,2 mil pessoas durante quatro anos. O estudo foi incluído na publicação especializada Annals of Neurology.

A dieta mediterrânea, rica em frutas, legumes, cereais, peixe, vinho (em moderação), poucos laticínios e pouca carne, é tida como saudável há algum tempo.

Pontos

Os pesquisadores analisaram a saúde neurológica e a dieta dos participantes. A alimentação dos voluntários recebeu pontos de acordo com uma escala. Quanto mais mediterrânea a dieta, mais pontos. Durante o período de realização do estudo, 262 pessoas foram diagnosticadas com o Mal de Alzheimer. Os pesquisadores descobriram que, para cada ponto adicional na escala, o risco de desenvolver Alzheimer diminui em 10%.

O grupo que acumulou menos pontos, ou seja, cuja dieta era pouco mediterrânea, apresentava maior probabilidade, ou mais risco, de desenvolver a condição. Em um grupo intermediário, com uma dieta um pouco menos mediterrânea, os riscos de Alzheimer caíam entre 15% e 21%. E as pessoas incluídas no grupo que acumulou mais pontos corriam 40% menos risco.

Os números se mantiveram mesmo após os pesquisadores terem ajustado os resultados levando em consideração fatores como a idade do participante, se ele fuma ou não, o sexo, a etnia, a educação, a quantidade de calorias consumidas e o peso. Os pesquisadores admitem que fatores como a memória dos participantes – ao descreverem seus hábitos alimentares – podem influenciar o resultado da pesquisa.

Mas disseram que usaram uma técnica de avaliação de dietas de eficiência comprovada. Comentando o estudo, Clive Ballard, diretor de pesquisas da Alzheimer’s Society, na Grã-Bretanha, disse:

– Este amplo estudo, (publicado) em uma revista importante, dá mais peso a evidências de que a dieta e o estilo de vida são fatores de risco muito importantes no Mal de Alzheimer.