Dia Mundial de Combate à Aids exigirá mais acesso aos tratamentos e políticas preventivas mais eficazes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 30 de novembro de 2012 as 15:51, por: cdb

Amanhã (1º), quando se celebra o Dia Mundial de Combate à Aids, o panorama geral é que apesar de significativas conquistas, a doença requer ainda muitos esforços para que seu avanço seja controlado. De acordo com os dados da Onusida (por suas siglas no espanhol) divulgados ontem, quase 7 milhões de pessoas infectadas com o HIV precisam de assistência, mas não têm acesso aos tratamentos. O trabalho indica, ainda, que das 34 milhões de pessoas que vivem o vírus, cerca da metade desconhece seu estado sorológico, o que retarda o tratamento e pode elevar o número de óbitos.

O acesso aos antirretrovirais ainda é a grande questão a ser vencida e isso envolve políticas e indústrias farmacêuticas poderosas que operam, ainda, dentro da lógica capitalista. O resultado disso é o encarecimento dos vários remédios necessários para um tratamento eficaz.

“Urge reduzir os custos dos tratamentos de segunda e terceira linha, e explorar novas formas de expandir e manter o acesso ao tratamento, tais como a produção nacional dos medicamentos e a aposta por recursos de financiamento inovadores”, destacou o relatório da Onusida.

Em 2011 foram notificados 2,5 milhões novos casos positivos, o que leva à conclusão que, mesmo com campanhas, ajudas governamentais e mais mobilização da sociedade civil, o índice segue em acréscimo. Para isso, ressalta o relatório, é preciso que haja uma sintonia entre a provisão de serviços de prevenção ao HIV.

Sobre a parcela da população mais atingida, o documento informa que os/as profissionais do sexo, homens que têm relações sexuais com homens e os usuários de drogas injetáveis segue sendo o grupo mais afetado.

O relatório lembra que os dados são divulgados quando faltam 1.000 dias para que a resposta à Aids atinja seu tempo limite para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Amanhã, em várias cidades do mundo, estão marcadas várias mobilizações e ações que visibilizem a luta contra a Aids, exigindo mais acesso aos tratamentos, redução dos custos dos medicamentos, mais campanhas educativas e mais compromissos dos governos.

Dados gerais:

34 milhões de pessoas vivem com o HIV no mundo

2,5 milhões de pessoas foram infectadas em 2011

1,7 milhões morrem em decorrência da doença.

Para ver o relatório completo em espanhol: Informe del Día mundial del sida 2012 – Resultados