Dia Mundial da Água é marcado por atividades e preocupação com a poluição no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de março de 2011 as 12:05, por: cdb

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Para lembrar o Dia Mundial da Água, a Secretaria Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro promove, durante todo o dia de hoje (22), atividades como oficinas e palestras sobre o assunto no Encontro das Águas, na Lagoa Rodrigo de Freitas, zona sul da capital.

Uma das preocupação de entidades da área é a qualidade e a poluição das águas dos rios e lagoas do Rio de Janeiro. Para a presidente da Comissão de Saneamento Ambiental da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), deputada Aspásia Camargo (PV), a situação é muito grave e não há o que celebrar.

“A situação é a pior possível porque hoje todos os nossos corpos d’água estão gravemente poluídos. Não é uma poluição menor ou insignificante, é no mais alto grau”, avaliou. Para ela, as lagoas da Barra “são praticamente esgotos a céu aberto”.

Segundo a deputada, a constatação foi feita após o sobrevoo de helicóptero sobre o sistema lagunar da Barra da Tijuca, de Jacarepaguá, da Vargem Grande e sobre a Baía da Guanabara, região que ainda pode ser recuperada. “Nós temos eventos extraordinários no mundo inteiro, como as baías de São Francisco [Estados Unidos] e de Tóquio [Japão] que estão sendo despoluídas. Nós podemos despoluir nossa baía”, disse.

A parlamentar ressaltou ainda que o desperdício de água e o lixo são grandes inimigos das bacias hidrográficas do estado. ”De fato, 50% da água capturada no Rio Paraíba do Sul e em outras fontes vão sumir nos canos malconservados e velhos. Se recuperamos esses 50%, saímos da faixa de escassez, que já começa a ser aguda”, afirmou.

A diretora de Gestão das Águas e do Território do Instituto Estadual do Ambiente, Rosa Formiga, confirmou que existe uma escassez de água, mas não de água bruta e tratada para a população. Ela informou que já ocorreram avanços na contenção da degradação, como um pacto pelo saneamento que tem por objetivo coletar e tratar 80% do esgoto urbano do estado até 2018. No entanto, segundo Rosa, ainda há mais a ser feito.

“Nós conseguimos reverter a degradação progressiva dos corpos d’água. Nós não conseguimos ainda recuperar a qualidade das águas. Em suma, o que a gente fez foi muito importante, mas não foi suficiente. Vamos precisar de mais planejamento, investimento e conscientização”, disse.

A diretora do Inea defendeu um engajamento do município, do estado e da população para superar problemas como o lixo, o desperdício de água e ocupação desordenada. “É preciso coletar e tratar esgoto. De modo geral, temos um problema crônico que é a invasão das margens dos rios. Essa ocupação desordenada impacta diretamente nos rios e lagoas. Não só com esgoto e lixo, mas também no aporte de sedimentos, que acaba assoreando os rios”, destacou.

Também para lembrar o Dia Mundial de Água, a CCR, concessionária que administra a Rodovia Presidente Dutra, distribui hoje folhetos com informações do projeto Nascentes, que visa a plantar mudas de Mata Atlântica nas nascentes de rios ao longo da via.

Edição: Juliana Andrade

Dia Mundial da ÁguaMeio Ambienterio de janeiroÁgua» Leia também:

Mais da metade dos municípios podem ficar sem água em 2015

Uso racional da água pode ser vantagem competitiva para produtos brasileiros, afirma especialista

Água determinará localização de empresas no futuro, diz professor

Empresas reduzem uso da água na fabricação de seus produtos

Fiesp premia indústrias que reduzem o consumo e o desperdício de água

UnB desenvolve fórmula matemática que reduz em 43% risco de contaminação da água por uso de pesticida