Dia de combate à exploração sexual infanto-juvenil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 18 de maio de 2006 as 12:35, por: cdb

Uma carreata com cerca de 100 caminhões, a Caravana Siga Bem Caminhoneiro, da Petrobras,  atravessou nesta quinta-feira a Esplanada dos Ministérios para conscientizar a sociedade da necessidade de combater o abuso e a violência sexual contra crianças e adolescentes. O objetivo é tornar o caminhoneiro um parceiro no combate a esse tipo de violência, por meio do projeto Siga Bem Criança. 

 Nesta quinta-feira, dia 18 de maio, o Brasil lembra o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. O grande destaque é o lançamento oficial do novo telefone do disque-denúncia, que passa a atender pelo número 100. Por meio desse número qualquer pessoa, inclusive crianças, poderá denunciar violência, abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. O número 100 funciona em todo o país, todos os dias, inclusive feriados, de 8 às 22 horas.

A Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) da Presidência da República, registra a denúncia e a encaminha aos órgãos responsáveis do município de onde partiu a ligação – Ministério Público, Conselhos Tutelares e Delegacias de Proteção à Criança e ao Adolescente.

Desde maio de 2003, quando ainda funcionava por meio de um 0800, o disque-denúncia recebeu mais de 120 mil ligações de 2.500 municípios e encaminhou mais de 17 mil aos órgãos de defesa.

A diretora do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual, Neide Castanha, diz que é preciso convocar todos os segmentos da sociedade para compreender que a violência sexual contra crianças e adolescentes é um fenômeno social de responsabilidade de todos.

– Não existe jogar a bola para o outro, nem para o Congresso, nem para o poder público, é também para eles, mas antes de tudo é um problema de uma cultura nossa. A sociedade brasileira tem que criar a cultura de dizer não queremos a violência sexual contra a criança e o adolescente, não toleramos esse tipo de violência –  afirma.

Durante todo o dia, em frente ao Congresso Nacional,  foram promovidas diversas atividades educativas e culturais. Cerca de 200 jovens e crianças de várias cidades do Distrito Federal  fizeram apresentações de dança, música e capoeira.

Uma escola de samba subiu a rampa do Congresso Nacional,  e entregou aos parlamentares um abaixo-assinado pela aprovação de novas leis de combate ao abuso e à exploração de crianças e adolescentes.