Dia de combate à Aids evidencia diferenças na abordagem da doença

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de dezembro de 2005 as 11:02, por: cdb

O Dia Mundial de Combate à Aids expôs as diferenças de como cada país acredita que o avanço da doença deve ser contido. A Suazilândia, país com maior índice de infecção por Aids, cancelou os eventos marcados para este Dia Mundial porque o rei do país, Mswati, alegou ter outros compromissos. Na África do Sul, a ministra da Saúde, Manto Tshabalala-Msimang, se recusou a endossar o uso de antiretrovirais.

Ela disse que, se até mesmo ela um dia for infectada pelo vírus, pode usar suplementos alimentares e a medicina tradicional como tratamento. Ativistas disseram que vão entrar com uma ação contra a ministra, após os comentários. Nos Estados Unidos, o presidente do país, George W. Bush, novamente afirmou que a abstinência sexual tem um papel importante na luta contra a Aids. Já a União Européia enfatizou a importância do uso de preservativos e a necessidade de medidas efetivas para prevenir a doença.