Dez policiais foram presos pela PM após rebelião em Bangu

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 2 de novembro de 2002 as 00:07, por: cdb

Após a rebelião na Casa de Custódia Jorge Santana, que durou cerca de 10 horas, o comandante geral da Polícia Militar, coronel Francisco Braz, anunciou que os dez policiais que estavam de plantão na hora do motim foram presos e autuados.

O diretor do presídio foi substituído pelo major Ari Jorge dos Santos, seu ajudante de ordem e pessoa de sua total confiança, que irá promover a reestruturação da unidade.

Braz também anunciou que todos os funcionários serão trocados. O comandante geral declarou que o levante dos encarcerados foi causado por falha administrativa.

Rebelião

Após a recontagem, foi descoberto que seis presos haviam escapado. Um deles foi recapturado.

Os presos fizeram um buraco na parede e renderam o policial de plantão na porta da cadeia. Pegaram dele o fuzil e dominaram os outros policiais.

O policiamento externo do Complexo Penitenciário de Bangu frustrou a tentativa de fuga em massa. Porém foram feitos sete reféns, um deles foi liberado ainda na parte da manhã e os outros seis no final do motim.

Três presos que ficaram feridos foram levados ao Hospital Albert Schweitzer, em Realengo. Ainda outros três policiais foram feridos na ação.

Após a operação “pente fino”, os policiais recolheram um fuzil e quatro pistolas, que pertenciam aos plantonistas. Também um início de escavação foi encontrado e será lacrado amanhã. No final, Braz descartou a hipótese de conivência dos policiais.