‘Desigualdade das escolas é o berço da miséria e da fome’, diz Cristovam 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de março de 2011 as 11:05, por: cdb

“Ou colocamos a educação como vetor do progresso social, com escola igual para todos, ou não teremos sucesso na erradicação da fome e da miséria”, afirmou o senador Cristovam Buarque (PDT-DF). Para ele, a desigualdade entre as escolas onde estudam os filhos dos ricos e onde estudam os filhos dos pobres é “o berço” da pobreza no país.

– Não acredito que exista no mapa da fome alguém que tenha o segundo grau completo. Se houver é porque essa pessoa teve algum acidente na sua vida que o desviou, o levou a morar na rua. Senão, não passa fome – disse.

Em debate na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) sobre o combate à fome e à miséria, Cristovam lamentou que a valorização da educação como vetor de desenvolvimento encontre resistência nas elites brasileiras, por não quererem “que seus filhos tenham dificuldade de obter boas colocações”.

Também a senadora Ana Rita (PT-ES) destacou a importância da educação para garantir oportunidades capazes de promover a superação da pobreza. Ela elogiou a presidente Dilma Rousseff por incluir a educação entre as prioridades de seu governo. Também lembrou ações da presidente no sentido de adequar os critérios de ingresso no programa Bolsa Família e de promover reajuste no valor dos benefícios.

– Bolsa família e salário digno são medidas fundamentais para que possamos combater a miséria, combater a fome e, automaticamente, enfrentarmos a violência que aflige tantas famílias brasileiras – disse a senadora.

“Precariedade Absoluta”

Antes do encerramento dos debates, a senadora Marinor Brito (PSOL-PA) alertou sobre situação enfrentada por famílias que moram em torno do polo industrial de Barcarena, no Pará, que vivem em situação de “precariedade absoluta”.

– São várias comunidades, famílias inteiras sem dentes, com pele escamada como se fossem bichos, por conta da poluição e do abandono ­- disse, ao pedir medidas urgentes do governo federal e do governo do Pará para atender essas famílias.Iara Guimarães Altafin / Agência Senado