Desemprego é o maior em 14 meses

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de junho de 2003 as 14:49, por: cdb

O desemprego em maio atingiu o maior patamar desde março de 2002. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o número de pessoas sem emprego correspondeu no mês passado a 12,8% da PEA (População Economicamente Ativa).

Em abril deste ano, a taxa havia ficado em 12,4%. Em maio do ano passado, a taxa era de 11,9%.

Na comparação com maio o número de desempregados aumentou em 360 mil pessoas nas seis regiões pesquisadas pelo IBGE. O forte desaquecimento econômico no país atingiu principalmente as mulheres, pois elas corresponderam a 71% desse total.

O aumento do desemprego foi acompanhado de um crescimento da informalidade. O número de empregados sem carteira aumentou 6,9% nos últimos 12 meses. Já o número de trabalhadores com carteira, cresceu 3,2%.

A situação de quase recessão no país também levou muitas pessoas a voltar para o mercado de trabalho. Em 12 meses cerca de 520 mil pessoas que não estavam trabalhando procuraram emprego.

O crescimento do desemprego reflete a queda dos investimentos das empresas e a política de juros altos do governo. Para controlar a inflação, o Banco Central elevou a taxa básica de juros da economia brasileira para 26,5% em fevereiro e só voltou a reduzir a taxa na semana passada, para 26% ao ano.

A política, de restrição ao consumo e a investimentos, provocou um desaquecimento em todos os setores de produção de bens para o mercado interno e fez as vendas do comércio desabarem.

Ciente da situação da economia, o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, disse ontem que a inflação já está “debelada”, que o Brasil já “saiu da UTI” e que agora a ênfase da política econômica será o crescimento.