Deputados inspecionam políticas de segurança adotadas após violência em SP

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de novembro de 2012 as 15:28, por: cdb

Deputados inspecionam políticas de segurança adotadas após violência em SP

Por: Flávia Albuquerque, da Agência Brasil

Publicado em 26/11/2012, 17:09

Última atualização às 17:25

Tweet

São Paulo – A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados participou hoje (26) de reunião com representantes de policiais na Assembleia Legislativa de São Paulo. O encontro ocorreu antes de visita à comunidade Jardim Vaz de Lima, atualmente sob intervenção da polícia, que tenta pacificar o local, considerado um dos mais perigosos de São Paulo.

Segundo o deputado federal e presidente da comissão, Efraim Filho (DEM-PB), o objetivo da reunião e da diligência à comunidade é inspecionar as políticas públicas de segurança adotadas pelo estado de São Paulo em conjunto com o governo federal, depois da crise da segurança e da onda de violência que assola o estado.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o governador do estado, Geraldo Alckmin, firmaram termo de cooperação, no início do mês, para formalizar seis ações de segurança pública em São Paulo, entre essas, a criação de uma agência de atuação integrada de inteligência para combater a criminalidade no estado.

“O papel da Câmara dos Deputados é estudar esse novo modelo de ação integrada que está sendo adotado e conferir os resultados obtidos, para que possamos aperfeiçoar as políticas públicas de segurança”, explicou o deputado.

Efraim Filho disse que o diálogo com as autoridades policiais existe, mas precisa evoluir para que seja aberto e transparente sem acobertar números, já que o cenário é de crise e precisa ser melhorado.  “É possível perceber que a droga e o crime organizado estão na causa do problema e é preciso estabelecer métodos eficientes para combatê-los. E isso pode ser feito por meio de uma ação integrada de inteligência.”

Para o deputado, é preciso asfixiar a força econômica do crime organizado, que, segundo ele, sobrevive de um poder financeiro que não será dissipado sem ações de inteligência com prevenção e repressão. Efraim Filho, a resposta do estado ao crime organizado foi lenta quando se percebeu que os criminosos estavam investindo contra os policiais.

“Isso é uma afronta à ordem pública, ao poder público, e passa à comunidade um sentimento de pânico e insegurança. O policial militar tem um simbolismo para a sociedade de força e autoridade, e quando é confrontado de forma violenta e não tem respostas imediatas chega-se a uma crise instalada”, disse.