Deputadas do PT ficam a favor dos guerrilheiros

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de março de 2003 as 19:36, por: cdb

Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometia ajudar a Colômbia no combate ao narcotráfico e ao terrorismo, manifestantes distribuíam na porta do Itamaraty uma carta de protesto contra a “estratégia de relacionar os lutadores sociais da Colômbia ao terrorismo”, assinada por três deputadas federais da ala radical do PT, entre outros políticos, militantes e sindicalistas.

O texto condenado as “difamações e mistificações dos verdadeiros lutadores sociais da Colômbia” e a intervenção americana no país – o Plano Colômbia – , distribuído por uma entidade denominada Centro de Estudos Latinos Americanos (Cela), incluía entre os primeiros signatários os deputados federais Maria José Maninha (PT-DF), Luciana Genro (PT-RS), Luci Choinacki (PT-SC) e Renato Casagrande (PSB-ES).

“Nós brasileiros manifestamos enorme preocupação com a visita a nosso País do presidente colombiano (Álvaro) Uribe, que foi eleito com apenas 25% dos votos válidos e sob sérias acusações de atividades ilícitas. Esta visita pode trazer a intenção de colocar o Brasil dentro da estratégia de relacionar os lutadores sociais da Colômbia como terroristas”, diz o manifesto.

Sem citar especificamente as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), uma das principais guerrilhas do país, o manifesto pede “tratamento respeitoso a este povo em luta, que já cedeu verdadeiros heróis, como o padre Camilo Torres”. Só com esse respeito, “pode ser aberto um caminho para a construção de diálogos que possam chegar á verdadeira paz, com justiça social”. Entretanto, em entrevista à imprensa depois do encontro com Lula, Uribe deixou claro que não considera a opção de negociar com as guerrilhas.

Os deputados não estavam entre os manifestantes que protestavam na porta do Itamaraty. Segurando uma faixa com os dizeres “Uribe narcopresidente” do outro lado da avenida, um dos manifestantes conseguiu projetar a voz para dentro do palácio durante o discurso de Uribe ao lado de Lula, chamando o presidente colombiano de “traficante” diversas vezes.