Depois de quatro meses, agricultores são despejados em Pernambuco

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 1 de novembro de 2003 as 18:33, por: cdb

Depois de quatro meses de muita resistência e inúmeras reuniões entre a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o governo de Pernambuco e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), um grupo de 500 homens do Batalhão de Choque da Polícia Militar cumpriu o mandado de reintegração de posse do Engenho Prado, localizado no município de Tracunhaém, Zona da Mata Norte pernambucana. Trezentas famílias ligadas à CPT foram retiradas do local, onde estavam acampadas há seis anos.

A ação de despejo ocorreu no início da manhã e não pôde ser acompanhada pela imprensa, que ficou retida em uma barreira montada pela PM na estrada que dá acesso ao local.

De acordo com informações da PM, seis agricultores foram presos sob a acusação de agressão. Foices, enxadas, martelos, facões e barras de madeira foram apreendidos. Após o despejo, as famílias acamparam nas margens da PE-41, rodovia que corta o terreno.

Segundo Plácido Júnior, a área é de propriedade do Estado e as famílias ficarão no local para esperar a definição do processo de vistoria do engenho que tramita em Brasília.

Segundo o superintendente estadual do Incra, João Farias, existe a expectativa de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assine o decreto de desapropriação do terreno ainda na próxima semana.