Dengue permaneceu com altos índices de infestação nos últimos oito anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 30 de dezembro de 2010 as 12:35, por: cdb

Brasília – Algumas das chamadas doenças tropicais negligenciadas permaneceram como problema de saúde pública durante os oito anos de governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O Brasil é apontado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um dos países onde a maioria das 17 enfermidades ainda pode ser encontrada.

No caso específico da dengue, a doença manteve altos índices de infestação durante os verões, tradicionalmente chuvosos em todo o país. Os casos da doença praticamente dobraram de janeiro a outubro deste ano em comparação com o mesmo período de 2009, e a previsão para este verão é de epidemia em pelo menos dez estados.

Em Pernambuco, dez cidades correm risco de surto da doença. O Rio Grande do Norte aparece em seguida, com quatro municípios em situação crítica. Bahia e Minas Gerais têm três cidades na lista de risco do Ministério da Saúde. No Acre, são duas cidades nessa situação, e no Amazonas e em Rondônia há uma.

O atual ministro da Saúde, José Gomes Temporão, chegou a afirmar que a dengue será um desafio permanente enquanto não houver vacina contra a doença. “Infelizmente, vamos ter dengue todos os anos, enquanto não tivermos vacina, e isso vai demorar alguns anos”, disse.

Atualmente, a substância está em fase de testes no Espírito Santo, por meio de uma parceria com um laboratório francês.

Edição: Talita Cavalcante

Leia também:

Aumento do número de casos de dengue preocupa cariocas Brasil terá vacina contra a dengue em até quatro anos, afirma Temporão Governo ainda gasta pouco com a saúde, diz Temporão Secretaria de Saúde do Paraná faz campanha de alerta sobre riscos de aumento da dengue no verão Governo federal doa mais 54 veículos ao Rio de Janeiro para combate à dengue Mortes por dengue mais que triplicaram no Rio entre 2009 e 2010, segundo Secretaria de Saúde