Dengue: Cidade já contabiliza 10.631 casos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de março de 2011 as 12:21, por: cdb
População deve checar os focos de larvas do mosquito

A cidade do Rio de Janeiro já contabiliza 10.631 casos de dengue neste ano, de acordo com balanço da  Secretaria Municipal de Saúde. Foram confirmadas seis mortes pela doença no município.

Os números indicam uma tendência de queda do número de casos entre fevereiro, quando houve 5.227 casos, e março, com 3.911 casos em igual número de dias.

A taxa de incidência no ano chegou a 169 casos para cada 100 mil habitantes.

No Estado, foram registrados mais de 26 mil casos e 18 mortes.

A preocupação é com uma possível grande epidemia de dengue no ano que vem, quando deve circular mais fortemente o subtipo 4 do vírus, já que a população ainda não está imunizada.

Para conter o avanço da dengue, o governo do Estado, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz, adotou uma estratégia usada pelo governo de Cingapura durante a epidemia registrada entre 2004 e 2005. Em seis semanas, o país do sudeste asiático conseguiu reduzir o número de casos apenas com a mobilização dos moradores. A ideia é fazer o mesmo no Rio.

A campanha 10 Minutos Contra a Dengue pretende estimular os moradores a eliminar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti.

A ideia é que a população dedique dez minutos por semana para checar 13 pontos estratégicos no ambiente doméstico que podem se transformar em focos de larvas do mosquito. Os locais estão indicados em um guia elaborado pela secretaria e pela Fiocruz para incentivar a fiscalização semanal.

O aumento nos números de casos de dengue no Rio de Janeiro é visto com “preocupação” pelo Conselho Regional de Medicina (Cremerj). Segundo o coordenador da comissão de saúde pública da entidade, Pablo Vazquez, o quadro atual representa “motivo de alerta”.

– Nós acompanhamos a evolução dos números com muita preocupação. Os médicos da rede pública estão capacitados para identificar e orientar o tratamento de todos os casos suspeitos, o que falta são condições de atendimento e vagas nas unidades –, afirmou