Delegado pedirá a prorrogação da prisão da viúva do ganhador da Mega-Sena

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007 as 18:18, por: cdb

O titular da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro, delegado Roberto Cardoso, vai pedir à Justiça a prorrogação, por 30 dias, do pedido de prisão temporária de Adriana Almeida, viúva do milionário da Mega-Sena Renné Senna, morto no dia 7 de janeiro, em Rio Bonito, Baixada Litorânea do Rio, e dos outros cinco suspeitos de envolvimento no crime que estão presos. O pedido será feito após o carnaval. A polícia acredita que há elementos suficientes para que o pedido seja aceito e que os investigados pelo assassinato de Senna permaneçam presos mais um mês.

O depoimento de Adriana na Delgacia de Homicídios está marcado para a próxima quinta-feira. Ela está presa desde o dia 30 de janeiro e nega envolvimento no caso. Com isso, os policiais pretendem confrontar o que a viúva disse ao ser ouvida na delegacia de Rio Bonito.

Neste depoimento, que durou mais de oito horas, a viúva do milionário fez declarações que foram desmentidas por Robson Andrade de Oliveira, que seria amante dela. Entre as afirmações que foram desmentidas posteriormente, Adriana teria dito que ela e o marido estavam tentando ter um filho. A viúva entrou com um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF), que ainda não foi analisado.

Nesta quinta-feira, Anderson Souza, que, segundo testemunhas, seria o autor dos disparos que provocaram a morte do milionário, negou-se a dar informações à polícia. Disse que só falaria em juízo.